29 abril 2005

Os políticos necessitam de ideais. De valores e princípios que os ultrapassem, que façam esquecer as preocupações comezinhas com o auto-interesse egoísta, centrado nas eleições que se seguem. Que dêem à política o seu caracter de serviço à comunidade, que realmente é. Uma ética da política é absolutamente necessária: inseparável de qualquer acção humana, a ética ou moral permite ao homem viver uma plenitude de significado na sua vida.

Senti isto no Congresso. Senti que o nosso novo líder é uma pessoa disposta a trabalhar, a servir, como ele próprio disse, às 6 da manhã de domingo, com “alegria e entrega”, o país e o partido. O resto - se está na Assembleia da República ou em Bruxelas, se fica bem na TV ou não - são “peanuts”.

Rita Sacadura Fonseca