23 maio 2005

Comunicado de imprensa

Na sequência dos estudos elaborados pelo Professor João Araújo sobre o programa oficial de educação sexual, a Comissão Política Concelhia de Lisboa da Juventude Popular não podia deixar de se pronunciar sobre o mesmo nos seguintes termos:

● a educação sexual das crianças e jovens cabe, em primeiro lugar, às suas famílias, sendo estas o meio privilegiado para a transmissão dos valores por si defendidos;

● a educação sexual no ensino apresenta-se como uma forma de colmatar as lacunas de que as famílias possam padecer na matéria, devendo portanto ser opcional e não contrária aos valores da maioria. Deve também, promovendo o bom-senso, ensinar aos jovens as consequências de uma vida sexual activa e os perigos a ela associados, não os expondo, no entanto, a desnecessários excessos de descrição perversiva;

● o actual programa nada faz nesse sentido, limitando-se a estimular, nos jovens a ele expostos, a iniciação sexual precoce e despreocupada, descontextualizada de qualquer afectividade, trivializando-a e promovendo a desestruturação social.

Neste sentido, consideramos que os actuais manuais e programa devem ser cabalmente revistos, em parceria com as associações de pais e famílias, principais implicados na matéria.
A Comissão Política da Concelhia de Lisboa da JP