22 outubro 2005

Texto escrito por Bernardo Figueiredo ***

Apesar do CDS e o PSD terem há bem pouco tempo tido um desaguizdo no que respeita às eleições autarquicas, estou a referir-me mais especificamente à candidatura de Lisboa, acho que a candidatura do Prof. Cavaco deverá ser apoiada. O CDS neste momento não tem ninguém forte o suficiente para fazer diferença numas eleições deste tipo. É preciso não esquecer que Portugal desde o 25 de Abril é um País com uma forte presença de esquerda isto apesar de ser um país de centro direita... (Na minha opinião) embora não seja própriamente a linha deste momento e como tal é natural que os maiores partidos de esquerda apoiem candidatos nomeadamente o BE e o PCP. Quanto aos outro partidos e aos candidatos que apoiam o CDS não se devia preocupar porque não têm qualquer relevância.

O CDS também não se pode esquecer que a candidatura a Presidente da República é uma candidatura individual não partidária de maneira que o apoio deve ser dado à pessoa, pelo que ela defende e não ao partido a que pertence ou pertenceu no passado. É muito importante que os militantes do partido e os simpatizantes sejam informados/relembrados deste pormenor que muitas vezes passa ao lado de muitas pessoas, daí surgirem muitas vezes opiniões não muito favoráveis a este ou àquele apoio. Desta forma evitam-se as “birras” que algumas pessoas teimam em fazer quando as coisas não são feitas da maneira que gostariam que fossem feitas.
Quanto ao facto de Cavaco Silva ser um homem de direita acho que não tem grande importância para estas eleições. O que é importante saber é que ao contrário de outros ele não muda de opinião fácilmente nem de corrente de politica e que é fiel aos suas crenças políticas. Mas para os mais curiosos ou mesmo os mais insatisfeitos aqui vai uma pequena coisa; É preciso não esquecer que enquanto primeiro ministro Cavaco Silva conseguio salvo erro, dois superavits e também foi durante a sua presença no Governo que o país se desenvolveu mais e ao mesmo tempo sem gastar demais ao contrário dos governos PS. Também é preciso não esquecer que o Dr. Cavaco sempre se opos à maioria das políticas económicas dos Governos Guterres e quando foi preciso também colocou defeitos nalgumas decisões do último Governo PSD/CDS. Pesando tudo isto acho que se pode dizer que Cavaco Silva não é um homem imparcial que defende aquilo que acredita que é melhor, e se é preciso atribuir-lhe alguma queda para um dos lados da balança eu diria mesmo direita pelas suas ideias.
Quanto à defesa dos valores da vida e da luta contra a interrupção voluntária da gravidez. Bom quanto a isso acho que um Presidente da República pouco poderá fazer a não ser expressar a sua opinião que pouco ou nada influência a opinião pública. Assim sendo acho que o CDS pode fazer muito pela defesa destas causas mesmo que o Presidente da República não tenha opinião acerca do assunto. Mas atenção mais uma vez digo que a defesa dos valores da vida e da luta contra interrupção voluntária da gravidez deve ser feita de uma maneira racional e moderada não podendo tornar-se numa cruzada do bem contra o mal. Infelizmente nem tudo pode ser ganho e o CDS tem de pensar a longo prazo e não apenas a curto prazo, ou seja, o CDS não pode fazer destas duas causas as suas bandeiras com pena de passar à história uma vez que este assunto esteja resolvido.
Quanto ao candidato próprio do CDS, como já disse no início, acho que o CDS não tem ninguém com presença suficiente para se apresentar como candidato. De qualquer maneira se o CDs apresentasse alguem acho que deveria ser o Dr Ribeiro e Castro apesar de achar que ainda é cedo para ele sair da “toca”.
*** - pede-se desculpa por alguma possível falta de acentos, mas é que o Bernardo está actualmente a viver na China, e como tal os teclados não têm acentos.