07 fevereiro 2006

Liberdade

O terrorismo e o confronto de culturas vão sendo, nos dias que correm, uma notícia comum. Paralelamente, as ameaças aos valores dos países ocidentais multiplicam-se. Neste contexto, a questão dos cartoons que caricaturam o profeta Maomé é, quanto a mim, sintomático de uma crise que já está instalada.
Ainda assim, esta questão particular provocou-me algum espanto… Caricaturas ofensivas?! Todo o islâmico deveria, primeiramente, sentir-se muitíssimo mais ofendido com os ataques terroristas praticados por gente do mesmo credo, por fundamentalistas islâmicos. Isso sim é grave, isso sim deve ser ofensivo para os crentes em Maomé!
Apesar de tudo, este é um bom momento para repensarmos a nossa posição no Mundo. A “explosão branca à escala mundial” é passado e desde há muito que são as nossas fronteiras que se abrem a outros povos que, com eles, trazem outras culturas. Deixaremos sucumbir os nossos valores perante os novos desafios inerentes ao choque de culturas? Eu creio que não podemos anular-nos perante um inimigo sem rosto que nos afronta inadvertidamente, como o terrorismo. Assim, também não faz sentido que um povo que defende a liberdade – nomeadamente a de expressão – como um direito inalienável tenha de desculpar-se porque um caricaturista, usando dos seus direitos, decidiu satirizar uma questão que lhe pareceu relevante.
Para concluir, acredito que nos cabe a nós, liberais, conservadores e democratas-cristãos, um papel fundamental na preservação dos nossos ideais, da cultura “ocidental” e de valores como a liberdade.