25 janeiro 2007

Grande "Treta"vista

Que a qualidade do jornalismo português está pelas ruas da amargura, julgo que já ninguém tem dúvidas,
Agora, o que a RTP fez esta noite não se faz, muito menos na televisão de suposto serviço público!

Ora na chamada Grande Entrevista, moderada pela jornalista Judite de Sousa, foi entrevistada esta noite uma personalidade portuguesa de grande relevo e por quem todos os portugueses, mesmo os menos católicos de todos, têm um grande respeito: SE. D. José Policarpo, Cardeal Patriarca de Lisboa.

O conceito da entrevista chamou-me a atenção, pelo elevado interesse e pertinência, que era o de entrevistar o representante máximo da Igreja Católica em Portugal sobre o futuro referendo à liberalização do aborto e todas as diversas reacções que o mesmo tem provocado na sociedade do nosso país. Sendo que a Igreja Católica é em Portugal o maior pilar de defesa da vida.

Eis-senão-quando a exemplo do que tem feito no infâmio prós-e-contras, a jornalista Judite de Sousa esmerou-se nesta entrevista, conseguindo atingir um novo nível, o da sub-cave da qualidade do jornalismo em Portugal, ao constantemente interromper os bem fundamentados e estructurados pontos de vista do Senhor Patriarca, de cada vez que iniciava um raciocínio coerente em resposta às perguntas feitas; ao fazer perguntas pouco concisas e incluindo o seu ponto de vista, ou tentando levar o Senhor D. José a dizer o contrário do que defende, ou quando o mesmo já tinha percebido o teor da pergunta e tentava responder, repetidamente, não se calava para deixar ouvir o entrevistado, quem interessa ouvir falar numa entrevista.

Em suma, um exemplo de má-educação, falta de respeito, péssimo jornalismo, procura de protagonismo, parcialidade,...
Uma entrevista pouco profunda, frouxa e pouco ou nada esclaredora, roçando o desinteressante.
Enfim, um arquétipo do actual jornalismo em Portugal!

E o resultado de tudo isto, é que não consegui ficar a saber nenhum dos interessantes pontos de vista do Sr. Cardeal Patriarca até ao fim, que muito poderiam ter contribuido para o debate em curso na sociedade portuguesa, nem assisti a um exemplo de boa cortesia nem boa educação nem bom jornalismo, pelo contrário fiquei envergonhado por ser possível que tais escandâlos tenham lugar na televisão pública, que é de todos nós, com títulos ponposos apenas relacionados com a qualidade pelo inverso.

Jornalistas de Portugal, tenham vergonha!
RTP tenham pena de nós e substituam essa cabeça de cartaz que é a senhora Judite de Sousa por uma jornalista séria, que eu quero acreditar que ainda existam em Portugal, muito embora talvez no desemprego!