31 julho 2006

Obrigado!

Porque a política nem sempre é só política, porque as pessoas nem sempre são só elas mesmas, deixo-vos uma reflexão de alguém que não sou só eu, mas outrém que me despertou a atenção.
Não digas 'porquê', diz 'obrigado'
A vida tem sentido. A realidade do mundo, a evolução da humanidade, os acontecimentos da nossa história pessoal têm uma lógica, uma sequência, uma finalidade. Só por isso é que, perante algo que não entendemos, sempre perguntamos: "Porquê?" Queremos saber a razão, a causa, o propósito. Se as coisas à nossa volta fossem sempre arbitrárias e fortuitas, ninguém as tentaria compreender.
Até os livres-pensadores, presos a uma visão materialista, cega e efémera da existência, se indignam quando sofrem uma injustiça, ficam confusos quando não entendem o que observam ou vivem. Todos, de alguma maneira, esperamos ordem e equilíbrio à nossa volta. Como se poderia viver num mundo ilógico? Numa sociedade aleatória? Numa história caprichosa? A vida tem sentido.
Esse sentido da vida não é uma lei férrea, um destino predeterminado. Ele pode ser distorcido, oculto, perdido, atacado. Existem naturalmente muitas coisas que não entendemos, acidentes fortuitos, desastres destruidores, factos incompreensíveis, porquês sem resposta. Por isso, naturalmente, nem sempre o sentido é o que nós gostaríamos. Nem sempre a vida encaixa nos projectos que vamos fazendo. Mas tudo isso só confirma a existência do sentido da vida. Tal como a doença manifesta a realidade da saúde e o crime não anula a existência da lei, antes a revela. Por isso continuamos a perguntar "porquê?".
A era moderna nasceu quando esta pergunta "porquê?" ganhou um novo teor. Antes era apenas uma súplica de motivo; depois passou a ser a investigação de uma causa. O ser humano foi sondando e analisando o mecanismo da realidade. Perguntar "porquê?" passou a exigir uma teoria explicativa. Graças à nova atitude, a humanidade ganhou muito. A ciência abriu as portas à técnica e esta trouxe conforto, medicina, progresso, prosperidade. Perguntar "porquê?" permitiu um enorme domínio sobre a realidade. O sentido da vida pare- ceu acessível, decifrável, controlável.
A era contemporânea começou quando este resultado trouxe um novo tom à pergunta "porquê?". Agora, perante algo que não entendemos, assumimos um acento exigente, indignado, reivindicativo: "Porque nos acontece isto? Como é possível que não tenha sido evitado? Não há um estudo, uma política, uma solução?" O ser humano começou a impor direitos, a fazer exigências à realidade. Vivemos, mas sob condições, segundo as regras que reclamamos. Esta evolução, se nos concedeu enormes benefícios, também nos fez perder dois dos elementos fundamentais do sentido da vida.
O primeiro é que a vida é um dom, algo que só temos porque nos foi dado. Recebemo-la um dia, tal como a haveremos um dia de entregar. Até lá temos de seguir o caminho que ela escolhe. Mesmo no mundo da tecnologia, não controlamos o que nos acontece, apenas aquilo que fazemos com o que nos acontece. A existência tem sentido, mas é tudo menos controlável.
O segundo aspecto que a visão actual ignora é que todas as situações, mesmo as mais desesperadas, têm em si sempre algo de bom. O mal absoluto não existe. A vida tem sentido. Os horrores da violência, miséria, desespero são bem visíveis no meio do conforto da modernidade. Chocamos contra as tristes situações em que o sentido da vida é distorcido, oculto, perdido, atacado. Mas há sempre um raio de luz no fundo da maior escuridão.
Muita gente recusa estes aspectos como atitudes passivas, conformistas, medíocres. É preciso, dizem, ser sempre proactivo, exigente, inovador, inconformado. Esses espíritos tacanhos só vêem duas alternativas: a exuberância irrequieta ou a apatia boçal. Mas respeitar o sentido da vida e promover o lado positivo dos acontecimentos, por ínfimo que seja, é a única forma realista de construir a sociedade justa, o desenvolvimento sustentado, a vida com sentido. Os edifícios utópicos bem-intencionados foram causa dos maiores desastres da humanidade.
Esquecendo estes dois aspectos, o ser humano actual, até no meio da prosperidade, sente uma amargura que o passado desconhecia. Para quem exige direitos, a quem impõe projectos, é difícil sentir-se grato por viver no mundo, mesmo quando chove, por ter um corpo, mesmo com dores. "A sabedoria na vida não está em fazer aquilo de que se gosta, mas em gostar daquilo que se faz", como diz o provérbio que o meu pai gosta de repetir. A verdadeira felicidade é daqueles que, perante os obstáculos e contrariedades, não perguntam "porquê?", mas conseguem dizer sinceramente "obrigado!".
João César das Neves, in DN Opinião - Não há almoços grátis.

2 Comments:

Blogger Margarida Martins said...

Este senhor leu me os pensamentos..

31 julho, 2006 22:14  
Blogger Catarina de Figueiredo Pais said...

Mais uma feliz reflexão deste multifacetado mestre, César das Neves.

09 agosto, 2006 17:46  

Enviar um comentário

<< Home