30 novembro 2004

(Um parêntisis: À Beatriz)

Bem sei que o momento pode não ser o mais apropriado, nem a manifestação política do movimento monárquico possa ser a mais correcta, mas chamar de "anedota transformada partido (PPM)" como a Beatriz escreveu no post anterior creio que, quem está em Democracia e, sobretudo, encarna o ideal monárquico com o mínimo de coerência, não pode ficar indiferente!

É que poder-se-ia ter dito, mesmo assim com a dureza das palavras, algo de discordante ao PPM; mas agora chamar anedota não ao PPM mas sim ao ideal Monarquico como está escrito, brada os Céus! "Anedota transformada partido"...está bonito está.

Ao Diogo

Meu caro amigo, lamento dizer-te que mais uma vez estou em desacordo total e absoluto contigo! Antes de ir ao conteúdo do teu texto, contesto desde logo o timing que escolheste para por em causa o teu apoio ao nosso CDS! Neste momento, em que todos (até o Barnabé, vê lá bem) dizem que no meio desta crise só o CDS demonstrou ter sentido de estado, responsabilidade, coerência e respeito por Portugal e pelos Portugueses, é um militante do CDS que vem por em causa o seu voto das próximas eleições????
Diogo, então, se no PSD não irás votar, presumo que também não decidas tornar-te socrático em idade já madura e muito menos que vás engrossar as fileiras da tertúlia dos barnabés, em quem pretendes votar? Naqueles que projecto para o país não têm, mas se vendem por 'tuta e meia' em nome de um tacho (Nova Democracia), aqueles que não vivem mais do que da utopia (Partido da Terra) ou aqueles que são a anedota transformada partido (PPM)?
Diogo, dá-me uma solução de razoabilidade (faço inclusive apelo ao conceito civilista do bonus pater familiae) para que, um militante do CDS, vote num partido que não o CDS. É um desafio para o Diogo e para todos aqueles que dizem que: se formos coligados; se formos europeístas; se não sei que mais, não votam no CDS!
Meninos, há que ter coerência! Há que vestir a camisola! Neste momento nós, que somos CDS, temos que enfrentar as eleições com aquilo que nos caracteriza desde sempre: força; convicção; determinação; coragem e sentido de Estado! É por isso que o CDS é reconhecido, é por isso que somos um partido de causas, que fala claro e que não tem, nem nunca terá, medo de eleições!
E, quer sózinhos quer coligados (e já voltarei ao tema), nós não deixamos de ser o CDS (como o actual momento político demonstra à saciedade!). E por isso, para os militantes, não pode haver dúvidas no momento em que votam!

Decida-se a Europa

Apesar de já se andar a apregoar a queda do governo, na verdade o dito cujo ainda não caiu. Antes de convocar as eleições antecipadas o PR terá que convocar o Conselho de Estado e os Partidos representados na AR. Mas também não é assim tão errado dizer que o governo caiu porque a opinião destes não é vinculativa.
E agora vamos ao que interessa: o que é que o PP fará?
Hipótese a)
O PSD convida o PP para ir em coligação às eleições e o PP aceita. Desgraça das desgraças, não contem com o meu voto.
Hipótese b)
O PSD convida e o PP rejeita ou nunca há qualquer proposta e os partidos vão separados. Só isso já me faz ficar mais feliz com o PP, mas teremos que continuar com outras sub-hipóteses antes de eu saber se voto no PP.
Sub-hipótese b1)
O PP terá que se pronunciar sobre o Tratado Constitucional Europeu: se se pronunciar favorávelmente, tenho muita pena, mas também não contem com o meu voto.
Sub-hipótese b2)
O PP pronuncia-se desfavoravelmente ao Tratado: contem comigo na campanha, nas urnas e na concelhia. Tanto quanto me for possível, estarei empenhado no Partido a dar o litro para o melhor resultado possível.
Como é óbvio, caso o PP opte pelo silêncio isso não me contentará.
Estou como a Bizita, não tenho mesmo tido tempo para escrever um post maior sobre o TCE (Tratado Constitucional Europeu), mas fá-lo-ei logo que possível.
Estarei muito triste no dia em que tenha que votar noutro partido que não no PP, que sempre tem sido o meu partido, no qual mais me tenho revisto desde que penso um bocadinho acerca da política, etc. Mas não tenho dúvidas de que o farei- outro sapo como o das eleições europeias eu não torno a engolir.

29 novembro 2004

Lc 11, 15-26

"Todo o reino dividido contra si mesmo será devastado e cairá casa sobre casa."

Se o nosso Governo está dividido, como poderá subsistir?

Há meses, disse que o Governo estava coxo: O "nosso" Ministro da Defesa não sabia sequer o nome do seu novo Ministério, o PM folheava - na mesma ocasião - o seu "pequenino" discurso dando a ideia de estar completamente "aos papéis", as oscilações de Secretarias de Estado da Teresa Caeiro, o caso Nobre Guedes, o caso Marcelo, entre outros (infelizmente). Mas nesses inúmeros casos, porém, o mau funcionamento não se deveu a discordâncias partidárias.

Porém, no último Congresso Social Democrata, vimos os nossos azuis e amarelos com imensos sorrisos e a dar a ideia de que somos "amigos para siempre!" ao lado do PSD...mas do outro lado, a muleta que o PSD carrega não passa de um aparente apêndice necessário...mas com claras tendências de extinção.

Tenho pena que o nosso partido encerre esse eterno complexo de defesa "do outro lado", pois já vimos que quando as coisas não nos correm tão bem como o esperado, não há uma única voz de sectarismo do resto da coligação.

Em suma, o Governo está dividido e, não bastasse estar dividido "por" partidos, está agora a ser divido "dentro" dos partidos...Deus nos ajude!
A minha ida a LEIRIA e a demissão do Ministro no seguimento do pedido de Cavaco.

Estava eu a vir de Leiria para Lisboa quando ouvi na rádio que o Ministro Henrique Chaves se tinha demitido. E não é que o meu primeiro pensamento foi "... aqui está a primeira vitima do repto lançado no Sábado pelo Prof. Cavaco no Expresso".
Para quem não sabe Cavaco apelou aos políticos competentes, para demitirem os políticos incompetentes. E assim foi, o Ministro Henrique Chaves até foi mais longe... demitiu-se ele mesmo, não esperando que um político competente o demitisse.
Eu confesso que até esta Terça-feira nunca tinha dado pela presença deste senhor que foi Ministro durante 4 meses, mas não pude ficar indiferente quando vi um Ministro da minha Pátria receber no seu gabinete dirigentes de associações desportivas, possíveis traficantes de droga, etc. E no final, ainda faz declarações do género recebi-os e só não deitei a documentação pela janela abaixo por uma razão de educação.
Há 6 décadas atrás nenhum Ministro do Governo de Portugal fazia declarações deste genero.
Quem serão os próximos politicis incompetenntes a serem demitidos? Parece-me que por ai não faltam candidatos. Carlos Carvalhas também já foi.




28 novembro 2004

A Pergunta do Sócrates

«Concorda com a Carta de Direitos Fundamentais, a regra das votações por maioria qualificada e o novo quadro institucional da União Europeia, nos termos constantes da Constituição para a Europa?»

Já andava a alinhavar umas linhas sobre o Referendo ao Tratado Constitucional há uns dias. Mas, no meio da sempre emocionante vida de uma advogada estagiária, não consegui sentar-me, 'quelques minutes', para escrever sobre o tema!
Hoje, desforro-me!
Em primeiro lugar, acho que devo partilhar com os leitores qual foi a minha primeira reacção à pergunta escolhida e aprovada pelos senhores deputados: um estridente ataque de riso!
E porquê????
Porque imaginei o Zé de Terras de Bouro e a Maria de Pulo do Lobo, a olhar para o boletim de voto e a pensar o que aquilo quereria dizer e o que seria suposto responderem!
Imaginem o mesmo e verão se não começam a rir sem parar (para não chorar, entenda-se!).
Voltando à pergunta, dizem-me que ela foi escrita pelo punho (que imagem tão bonita que eu criei!) do Sócrates himself! Pois tenho que lhe reconhecer o talento com a pena... devia dedicar-se a escrever versos... ou, pelo menos, contos! Uma coisa é certa, para perguntas de referendos o rapaz não leva jeito... e é uma pena este talento da metáfora, da sinédoque e do pleonasmo desperdiçado em questões tão prosaicas!
Quando finalmente consegui parar de rir, comecei a olhar para a pergunta e decidi decompô-la nas suas componentes lógicas:

1. Será que sou, ou não, a favor da Carta dos Direitos Fundamentais (C.D.F.)? Não sei bem... na verdade ela pouco acrescenta ao nosso catálogo de direitos, liberdades e garantias (C.R.P., para os amigos). Será que nos faz falta? Será que tenho que votar favoravelmente ao Tratado Constitucional por causa da C.D.F.? Não me parace... até porque tal coisa já se aplica e ainda não existe Tratado Constitucional. Mas, respondendo sem subterfúgios, claro que concordo com a CDF!

2. Será que sou, ou não, a favor da Regra de Votações por Maioria Qualificada (RVMQ)? Oh meus amigos, assim à 'queima-roupa' é difícil dizer! Claro que a unanimidade, até agora exigida para muitas matérias, protegia melhor os pequenos Estados, mas teima em lembrar-me o subconsciente que a Democracia é o respeito pela vontade das maiorias. Será por isso a RVMQ uma coisa má em si mesma? Não! Eu não posso ser, por princípio, contra a RVMQ caso contrário seria, por princípio, contra a democracia! O que estes queridos que escreveram a pergunta não nos dizem é que tudo foi conchavado para que a RVMQ se transforme na tirania dos grandes (por causa do número dos votos, do peso relativo e demais truques que estragam o bonito embrulho democrático!). Não obstante tudo isto, que mais posso dizer para além do facto de que concordo com a RVMQ???

3. Será que sou, ou não, a favor do novo quadro institucional da União Europeia (NQIUE)? Mas, esperem um minuto, há um novo quadro institucional? Que eu saiba as 'instituições' são basicamente as mesmas: Conselho de Ministros; Comissão; Parlamento Europeu e Tribunal de Justiça, com uma alteração de pormenor que consagra o Conselho Europeu como Instituição de Pleno Direito, mas isso pouca ou nenhuma relevância tem na medida em que as suas funções se mantêm. O que mudou, de relevante, a nível institucional? Nada! Por isso de onde vem esta estranha pergunta? Ah! Estes malandrecos, sempre prontos a enganar o incauto! Não é sobre o NQIUE que eles nos querem perguntar, mas sobre as relações entre as várias instituições, o peso dos Estados em cada uma delas, o fim dos processos de co-decisão, o fim das Presidências rotativas e da regra um Estado-Membro um comissário! Mas, efectivamente não é isso que é perguntado e, como tal, face à pergunta eu tenho que dizer que concordo com o NQIUE!

Posto isto, reconheço que a pergunta está bem engendrada! Eu posso não ser favorável à existência de um Tratado Constitucional para a União Europeia que dá passos maiores que as pernas; que põe fim ao processo de co-decisão; que introduz novas regras de votações que permitem que os grandes controlem o que quiserem e, ainda assim, concordar com tudo o que é perguntado. Isto porque esta pergunta só não nos fala de gelados e dias de sol... de resto pergunta-nos tudo menos se concordamos com este texto do Tratado Constitucional!

Perplexidades


O Carlos espanta-se com um Ministro que recebe, no âmbito das suas funções um dirigente desportivo. Eu espanto-me com isto:

«Chaves explica demissão
O ministro demissionário, Henrique Chaves, acusa Santana Lopes de não lhe ter dado «oportunidade de exercer qualquer função ao nível da coordenação do Governo.» Em comunicado enviado à Lusa, onde explica as razões da demissão, Henrique Chaves diz ter sido excluído desta função «certamente, porque, desde cedo, terá sido pressentida a minha discordância quanto à forma como era realizada essa coordenação e se alinhava o comportamento do Governo e do primeiro-ministro, tendo eu optado por responder com discrição àquilo que sempre considerei como excesso de exposição». Henrique Chaves anunciou hoje a sua demissão do cargo de ministro do Desporto, Juventude e Reabilitação, acusando o primeiro-ministro, Pedro Santana Lopes, de deslealdade


Sobretudo quando a afirmação parte de um homem da confiança do Primeiro-Ministro, recentemente remodelado e transferido para novas funções. Podia ter dito então... ao menos poupava-se uma tomada de posse e respectivos cumprimentos...
Espanto-me, pois é. Talvez não devesse... talvez dentro de mais uns meses já não me espante!
A ver vamos...

26 novembro 2004

Que vergonha de Pais onde um Ministro perde tempo a receber, no âmbito das suas funções, o Presidente de um grupo desportivo.

24 novembro 2004

Um desafio...

Bagão Félix, o Ministro das Finanças, lançou hoje um desafio, se alguém conseguir equilibrar melhor as finanças do país do que ele, o lugar está disponível.

Alguém quer tentar?

(eu não).

E amanhã se apagassem as Televisões?

Sim, amanhã começa mais um capítulo do caso Casa Pia. Porque é que ninguém rapta os jornalistas todos, os fecha num sítio qualquer até os Tribunais decidirem?

Talvez seja esse o truque para deixar a Justiça funcionar...
(Mas isto digo eu, com a televisão ligada e a ver o telejornal).

Mexer no Tabuleiro

Depois de quatro meses de Governo (e que quatro meses!), o Primeiro-Ministro tenta mudar a posição das suas peças sem as mandar fora do tabuleiro.

Gomes da Silva sempre foi um peão complicado, no sítio errado, na hora errada e com as palavras erradas... será que agora melhora?
Morais Sarmento é um dos Cavalos do Governo, salta por cima dos problemas, faz jogadas que não se percebem à primeira e pode salvar o jogo em tempos de crise.
Henrique Chaves, uma das torres, com o mesmo estilo desde Durão, mantém um jogo estável e não deverá mudar de registo.

Entretanto, no resto do tabuleiro o jogo continua. Os ministros do partido fazem vários xeques à oposição e não se andam a pôr a jeito... até são as peças mais seguras do Governo.
Por detrás do jogo, a assistência anda complicada... as peças laranja querem mais luz, mais protagonismo e mais oportunidades, as peças rosa querem mais espaço no tabuleiro, as peças encarnadas querem perceber o seu próprio jogo e as peças pretas querem ser peças.
Sobram as peças azuis e amarelas - muito num estilo carpe diem - a dar atenção ao presente e a deixar o rumo do jogo ditar o futuro.

São tempos estranhos estes, um início de século rápido demais, um Governo a querer ser estável, Partidos a quererem ser mais seguros, pessoas a quererem ser mais vistas.

Bombas das Oito

Sim... um dos telejornais com começo mais em cima da hora dos últimos tempos.

Em Lisboa,
Foi dada razão à Câmara Municipal e as obras do túnel recomeçam em dois dias, parece que Lisboa pode voltar a pensar em ficar normal.

No País,
São alterados três ministérios, esconde-se Gomes da Silva, carrega-se em Henrique Chaves e deixa-se Morais Sarmento tomar conta dos Assuntos Parlamentares.

E esta, hein?

23 novembro 2004

Constituição Europeia...

Votarei contra! Farei, seguramente, campanha nesse sentido. É pena o PP estar a perder o juízo...

19 novembro 2004

Referendo da Constituição Europeia

Concorda com a Carta de Direitos Fundamentais, a regra das votações por maioria qualificada e o novo quadro institucional da União Europeia, nos termos constantes da Constituição para a Europa?

É esta a pergunta que vai a referendo no 1º trimestre de 2005. Alguém tem alguma dúvida
que mais de 60% dos portugueses não vão votar. Alguém tem alguma dúvida que os portugueses não estão nem ai…..

E parece-me que os partidos políticos não estão minimamente preocupados com o assunto.

A Comissão Política da Concelhia de Lisboa da JP, no seguimento de uma proposta de um seu dirigente (Nuno Van Uden) já solicitou, hoje mesmo, ao Presidente da Mesa do Conselho Nacional da JP, que este assunto seja discutido internamente no próximo Conselho Nacional.

Confesso que em termos pessoais, não sei qual a minha posição sobre o assunto. Filiei-me neste partido e nesta juventude política há 12 anos atrás porque era o único partido em Portugal anti-federalista.

Já fui muito mais anti-europeu do que sou hoje. O meu pensamento e a
minha visão da Europa mudou. Actualmente concordo e gosto do ideia do projecto europeu. Mas não sou nem nunca serei Federalista.

Não vou dizer aquilo que eu mesmo dizia há cerca de 6 anos atrás – sou
contra a moeda única -. É já uma realidade. Já me adaptei. Mas tenho
muitas dúvidas em relação a esta Constituição. Mas vou fazer aquilo que
todos os portugueses deveriam fazer: imprimir a referida Constituição, ler e
retirar as conclusões.
O Homem está doido…….

Mário Soares afirmou quinta-feira à noite, que só a restituição da voz aos cidadãos pode evitar «revoltas descontroladas» e que só ainda não houve «aventuras militares» devido à integração de Portugal na União Europeia.

Parece-me que o tempo de lucidez mental do nosso ex-presidente da República já chegou ao fim. Cada vez que este senhor abre a boca, nos últimos meses, só diz asneiras. Nada faz sentido.

18 novembro 2004

Durão Barroso eleito Presidente

A Comissão Europeia votou e aprovou a equipa liderada pelo Dr. Durão Barroso.
Como português, é com muito orgulho que vejo outro português, na Presidência da Comissão Europeia; espero que esta eleição faça com que nos aproximemos da média da União Europeia e que não sejamos vistos como aquele país, lá longe, ao canto da Europa à beira mar plantado. E desejo sinceramente que Durão seja um muito bom Presidente para calar os grandes países da União, que felizmente não a presidem, mas que tinham muita vontade de a presidir. Viva o povo Português e viva PORTUGAL!!!

Fumar ou não fumar...

Congeminou-se por aí um simpático diploma, que ainda não se sabe se vai em frente ou não, em que se proibiria de fumar nos locais de trabalho e em todos os locais públicos, como bares, discotecas e restaurantes.
Quando eu soube de tal coisa disse logo: "ora aí está um diploma feito por alguém com os legumes no sítio!"
Afinal de contas parece que a coisa não vai em frente, o que é caso para dizer: "ora aí está alguém que recua com um chop-sói de legumes debaixo das calças".
E a razão é muito simples. O Estado serve com o único objectivo de promover o bem-estar às pessoas que vai desde a saúde á educação, do ambiente à cultura, passando pela segurança física, económica, social, etc. Se o Estado não cumpre estes objectivos, o que se fará com ele?
O grande Pe. António Vieira dizia que se o sal não salga, só serve para deitar fora e ser pisado na rua- será que podemos fazer isso ao Estado?
É que esta medida alcançaria uma série de objectivos:
1) Protegia os não fumadores que levam constantemente com o fumo dos outros com os enormes prejuízos que isso acarreta para a sua saúde;
2) Levava a que muita gente reduzisse ou mesmo deixasse de fumar;
3) Acabava com aquele que é a maior base de início de fumo: a noite viciada de fumo das discotecas e outros locais públicos.
4) Ajudava aqueles pobres coitados que andam a tentar deixar de fumar e não conseguem porque vêem (e cheiram) o vizinho da secretária ao lado a fumar ou vão sair à noite para um bar onde se pode cortar o fumo à facada e têm mais dificuldades nesse seu inteligente propósito;
5) Mesmo que numa primeira fase, com menos gente a fumar e todos a fumarem menos o Estado perdesse uma parte das avultadas receitas do IVA sobre o tabaco, o que a médio e longo prazo pouparia no sistema de saúde poderia até vir a ser proveitoso do ponto de vista económico.
Mas os homens do chóp-sói acobardaram-se porque essa seria uma medida altamente impopular e só por isso... É pena!

16 novembro 2004

Ainda o Congresso do PSD

Promentendo algumas considerações sobre este tema para mais tarde, por agora não posso deixar de vos aconselhar a leitura deste excelente texto publicado pelo JCS, no Lobi do Chá.

A não perder!

Condoleezza Rice

Foi a escolhida pelo Presidente George W. Bush para substituir Colin Powell na condução da política externa Norte Americana. A antiga conselheira do Presidente para os assuntos de defesa e segurança interna será, apenas, a segunda mulher a ocupar um dos mais importantes cargos na Administração Norte Americana e aquela que talvez maior importância tenha para o 'resto do mundo'!
Está pois de parabéns esta senhora!

15 novembro 2004

Cavaco para Belém?

Oh meus amigos! Cavaco para Belém!?!? Tenham dó!
O rapaz até é bom rapaz, honesto, inteligente, bom economista e até teve os seus méritos como 1.º Ministro- com muuuitos erros à mistura, mas o saldo dos 10 anos não foi negativo.
Devo até dizer que não tenho dúvidas que, se o Senhor fosse agora para São Bento, sem dúvida faria melhor figura que o seu Secretário de Estado da Cultura.
Mas por amor de Deus! Presidente da República??? Não vamos exagerar...
Ainda o estômago denota umas certas contracções de cada vez que eu me lembro na Campanha Presidencial de 1995 do Bolo-Rei às voltas de um lado para o outro e aos saltos na boca do ilustre presidenciável. Ainda os cabelos se tendem a pôr em pé de cada vez que eu me lembro dos vídeos de família dos Cavacos Silvas. Se não me engano era da lua de mel e os portugueses puderam com deleite ver os pés da presidencial senhora a enfiarem-se em chinelos de quarto vestida com o seu robe-de-chambre.
E é esta personagem que querem pôr em Belém? Será que me dão cidadania Belga, Luxemburguesa ou até (onde chega o desespero!!) ESPANHOLA?
Dêem-me e a Portugal um Chefe de Estado em condições; dêem-nos um Chefe de Estado culto, educado e que tenha "mundo" para saber estar em visitas oficiais ao estrangeiro e receber cá os dignitários estrangeiros; dêem-nos um Chefe de Estado independente de Partidos Políticos; dêem-nos um Chefe de Estado verdadeiramente nacional!
POR AMOR DE DEUS: DÊEM-NOS A MIM E A PORTUGAL UM REI!
E se esse Rei for o Sr. Dom Duarte de Bragança, melhor ainda...
A minha visão da reunião de Barcelos
3.555 dias depois Santana conseguiu finalmente vencer um congresso


1 - Na questão das Presidenciais mais uma vez Santana Lopes mostrou que sobre este assunto, depois de tudo o que disse (já disse o que disse e também já disse o contrário do que disse) não tem mais espaço de manobra para dizer o que quer que seja. Já perdeu toda a credibilidade. Cavaco Silva só é bom candidato porque as sondagens assim o indicam? Ou será que é mesmo um bom candidato, independentemente das sondagens? Então agora o Prof. Cavaco Silva já não põe em perigo a coligação?
A meu ver o Prof. Cavaco Silva é o melhor candidato da direita às presidências de 2006 depois do Prof. Adriano Moreira.
2 - Como é que é possível os congressistas do PSD aplaudirem da mesma forma Marques Mendes que defende o fim da coligação, como de Morais Sarmento que defende que este assunto não se deve discutir já? Mas será que os congressistas perceberam que em 5 minutos foram defendidas duas coisas completamente diferentes e que toda a sala aplaudiu.
Dá me ideia que se alguém fosse falar sobre a grande exibição (meia duzia) do Sporting ontem no Alvalade XXI toda a sala aplaudia. Bastava falar. O conteúdo não interessava.
3 - Como é que é possível que a pessoa mais aplaudida no último congresso do PSD em Maio (Drª Manuela Ferreira Leite) agora nem lembrada tenha sido? Pelo vistos a memória é curta!!!
4- O Dr. Luís Filipe Menezes está cada vez mais ressabiado. Quando fala só diz asneiras.
5 - Escolha feliz a do PSD para 1º Vice-presidente. É um Homem honesto e trabalhador.
6 - Porque será que cada vez que Pedro Santana Lopes e Nuno Morais Sarmento se abraçavam eu parecia-me ver Morais Sarmento com vontade de ter uma faca na mão.
7 - Já repararam que há uma pessoa que conseguiu estar sempre ao lado dos últimos 3 líderes do PSD (Marcelo, Durão e Santana)? José Luís Arnauth.
8 - Como é que é possível algumas pessoas estarem a querer discutir o futuro da coligação se esta só cumpriu 2 anos dos 4 anos de mandato. Só agora passou a metade. Ainda falta outro tanto. Mas faz algum sentido? Não devem ter mais nada para discutir!!!
9 - Pena este fim de semana o FC Porto não ter perdido pontos em Barcelos.
10 - Porque razão não se discutiu neste congresso o referendo sobre o Tratado Constitucional da União Europeia? Onde é que o PSD o vai discutir? Num Conselho Nacional? É a democracia que perde!!!
11 - Infelizmente não ouvi neste congresso muitas ideias para a governação do país. Mas se calhar até se discutiu a comunicação social é que não as transmitiu.
12 - Finalmente e passados 3.555 dias do Congresso do Coliseu (a 19 de Fevereiro de 1995), Santana Lopes ganhou um congresso.
PP - só voltarei a escrever daqui a 2 semanas depois do exame da Ordem.

13 novembro 2004

Santana já escolheu o Candidato Presidencial

O Exmo. Sr. Primeiro Ministro e Presidente do PSD/PPD, Dr. Pedro Santana Lopes, teve a "amabilidade" de pressionar o Prof. Cavaco Silva para candidato a Belém. Mas como álias já era de esperar, subtilmente como é seu costume, disse que coligação pré-eleitoral com o CDS/PP, "não obrigado!". É pena que sejamos sempre fiéis para com eles, e eles não o sejam para conosco. Pareçe ser, sina nossa, ser a bengala dos Sociais-Democratas, para poder-mos governar Portugal; mas quando existe uma hipótese de menosprezar o nosso partido, fazem-no ao que pareçe até com gosto. Muito obrigado Dr. Santana Lopes, e alguns dos seus militantes, pela consideração que têm para com o nosso Partido, ministros, dirigentes, militantes e simpatizantes do Centro Democrático Social-Partido Popular.

11 novembro 2004

A cor do dinheiro...

Embora o meu querido amigo Diogo já tenha anunciado neste Blog a morte do líder da OLP, Yasser Arafat, parece que o senhor ainda não morreu.
Ou melhor, ninguém sabe bem se ele está morto ou vivo neste momento. Sem querer faltar ao respeito que nos merece a vida de qualquer pessoa, confesso que toda esta história que envolve a morte/quase morte de Arafat me deixa perplexa. Por um lado, num processo que é comum, parece que pelo simples facto das pessoas morrerem se lhes apaga da história os momentos menos bons, os defeitos e os erros. Quem morre entra em 'estado de graça' (seria assim com Bush?) e passa a ser figura consensual elogiada por todos.
Porém, na minha opinião Arafat não é, nem pode ser, uma figura consensual e muito menos elevado à categoria de herói! Já bem basta o erro que se cometeu ao atribuir o prémio Nobel da Paz a alguém que, entre outras coisas, foi cúmplice de movimentos terroristas!
Por outro lado, considero chocante ver como os responsáveis palestinianos adiam a morte do seu líder só porque precisam de decidir o que fazer aos milhões depositados em nome de Arafat pelo mundo fora...
Enfim, o mundo continua à espera do anúncio oficial que deve estar pendente da decisão sobre 'partilhas' (e peço desculpa àqueles que têm formação jurídica pela utilização deste instituto de forma imprópria!).

09 novembro 2004

Há 15 anos...

Como escrevia noutro lugar, não posso deixar passar o dia 9 de Novembro sem dizer nada.

Foi há 15 anos que «(...) que caiu o Muro de Berlim, acabando a divisão (ocidente/países comunistas) na cidade de Berlim, na Alemanha e no Mundo. A queda do muro é o marco da queda do comunismo e como tal simboliza a vitória da liberdade sobre a opressão; a vitória da democracia sobre o totalitarismo; a vitória da dignidade sobre a ditadura dos gullags; a vitória das pessoas sobre o PCUS! O que possa dizer sobre isto pouco mais será que o que aprendi nas aulas de História mas, se há imagem que me lembro de ver na televisão, é a das pessoas em cima do muro, a deitá-lo a baixo com machados, como se cada machadada na pedra fosse uma machadada no regime que durante tantos anos oprimiu parte da Europa! É pois um dia feliz para a Europa e para o Mundo

04 novembro 2004

Arafat

Consta que morreu o líder Palestiniano Yasser Arafat.
Ao longo das últimas décadas foi ele que liderou o Povo Palestiniano na luta por um Estado Palestiniano livre. Durante esse tempo, poucos foram os períodos de paz na Terra que de Santa já só tem a história.
Não se pode dizer que tenha sido um homem santo, apesar de ter ganho o prémio Nobel da Paz em 1994 juntamente com Yitzak Rabin devido à assinatura do Tratado de Oslo. Nem se pode dizer que a culpa da guerra que dilacera o berço das grandes religiões fosse toda dele ou dos Palestinianos, uma vez que os Israelitas também não são "flôr que se cheire"- entre uns e outros, venha o Diabo... E mantenha-os bem longe de Portugal!
Em qualquer dos casos, serve este post para dizer que não estou confiante na Paz no Médio Oriente nas próximas décadas- especialmente com o Sr. George Bush à frente da maior potência militar e económica do mundo.

P.S. (das Conclusões da Semana)


EU ATÉ SOU "PAPÁVEL".
Mais uma:
Sim, sou menos que o D. José Policarpo. Mas sou.



...e esta, hein?

03 novembro 2004

Conclusões desta Semana

Desta semana, agitada a todos os níveis da Política Internacional, posso tirar duas conclusões.


Primeira:
EU PODIA SER PRESIDENTE DOS E.U.A.
Sou melhor que qualquer um dos candidatos. A principal característica de um é não ser o outro, e vice-versa. E, mesmo assim, são umas eleições de sonho.



Segunda:
EU NÃO PODIA SER COMISSÁRIO EUROPEU.
Sou Católico, sou conservador. Assim, eles não me deixam.


...vivemos a aprender.

Jantar dos 30 anos da Juventude Centrista

Caros Militantes

No próximo dia 4 de Novembro (5ª feira) a JP irá comemorar o seu 30ª aniversário. Nesta importante ocasião, para todos nós, a Concelhia de Lisboa da JP associou-se à Concelhia de Lisboa do CDS-PP na organização de um jantar com os militantes, que contará com a presença do Presidente do Partido, Paulo Portas, do Presidente da Distrital de Lisboa, Luís Nobre Guedes, do Presidente da Concelhia de Lisboa, António Carlos Monteiro e, como não poderia deixar de ser, do Presidente da Concelhia de Lisboa da JP, Carlos Oliveira Andrade!

O Jantar irá realizar-se na Antiga Fil (na Junqueira) no dia 4 de Novembro, às 20 horas e o preço será de 10 Euros para os militantes da JP.
Pela importância desta data, para nós, militantes da JP, e pela presença de figuras tão destacadas no nosso partido, a tua participação é fundamental!
Agradecemos a confirmação da vossa presença, até dia 3 de Novembro, para o nosso email:
Contamos contigo no dia 4!

O Presidente da Mesa

Francisco d’Aguiar

EUA

Parece que o Sr. Bush voltou a ganhar...
Apesar disso, não concordo que se expulse os americanos das Nações Unidas. É que eles são os descendentes do lixo da Europa, Ásia, África, etc. e por isso não podiam ter saído lá muito inteligentes, não têm culpa, coitaditos.
Acho que, em vez da expulsão, as Nações Unidas deveriam votar uma moção de pesar por tal insensatez e enviar os pêsames aos Afeganistão, Iraque, Palestina e (não vá o diabo tecê-las durante este mandato) à Arábia Saudita, Irão, etc.

E não será preciso dizer...





Kerry assume derrota




E eu ganhei uma aposta!

02 novembro 2004

A Propósito da Assinatura do Tratado Constitucional da UE

Na passada semana, foi assinada, com a pompa e circunstância exigida pela ocasião. O Tratado Constitucional da União Europeia. Circunstância curiosa: é o mesmo Tratado que a última CIG não aprovou.
A União atravessa um período de grande transformação. Após um enorme Alargamento, de que ainda não sentimos as consequências, somos já confrontados com uma transformação de fundo da sua natureza: a criação de um sistema político autónomo, cada vez mais afastado do poder dos Estados e, segundo se diz, mais próximo do cidadão.
Face a esta orientação, é obviamente necessário que se saiba se, efectivamente, o cidadão nacional/europeu quer tudo isto: uma Carta dos Direitos Fundamentais vinculativa, uma Constituição Europeia que se sobrepõe às Constituições nacionais, retira competências e altera o equilíbrio de poderes dos Estados-Membros. Ainda bem que se prevê uma chuva de referendo por toda a Europa. Para que se saiba e se discuta o que os franceses e alemães decidem à calada em Bruxelas.

Para quem duvida do real significado da Constituição Europeia, que leia Vital Moreira…
http://jornal.publico.pt/2004/11/02/EspacoPublico/O01.html


RSF

Dia de Eleições

Os americanos irão escolher hoje o próximo presidente. Com sorte, amanhã saberemos quem ganhou.

Se fosse americana não teria dúvidas em votar em George W. Bush. Talvez não tanto por achar que foi um grande Presidente, mas por achar Kerry mau de mais! E por me irritar solenemente a história de comparar J.F. Kerry com J.F. Kennedy. Como diz a própria campanha de Bush .

Isto sem falar nas permanentes contradições do senhor, que dança conforme a música, e da história mal contada da sua passagem pelo Vietname!

Sem mais explicações, digo-vos que eu votaria Bush e espero que seja ele o Presidente dos próximos 4 anos!




PS: Carlos (Kerrista), aceitas uma aposta?