31 janeiro 2005

Resultados de 20.02

Ouço muita gente de direita dizer que se vai abster nas próximas eleições ou então votar em branco ou nulo e isso deixa-me triste.

Fico triste porque entendo que estamos num momento crucial em que podemos escolher um de duas caminhos:

a) ou tomamos uma das medidas acima descritas e contribuimos para que a direita seja literalmente cilindrada nas próximas eleições por uma esquerda que se sentirá legitimada para as mais torpes "reformas" em tudo o que toca a medidas sociais, como a concepção de família e o direito à vida, medidas económicas como a maior intervenção estatal e o crescimento do "papão" Estado, medidas internacionais como uma aposta numa política militar europeia à margem e por oposição à NATO, etc.

b) ou então apoiamos a direita e defendemos os valores em que acreditamos, que socialmente se alicerçam na família, no direito á vida, etc., economicamente se baseiam numa justiça social aprofundada mas com os privados como alavanca da economia e last but not least, internacionalmente optam por uma aliança Norte-Atlântica em que não haja uma Europa-rebanho dos EUA, mas em que esta tenha toda a sua importância nesse contexto e não contra o mesmo.

Gostava de estar tão optimista como o Carlos, mas não estou. Claro que acho um absurso certas sondagens que põem o PCP e o BE à frente do CDS-PP, mas já não acho que seja absurso que os dois juntos tenham muitos mais deputados que tiveram nas últimas eleições, não tanto graças a mais votos, mas devido a uma maior fidelidade do eleitorado de esquerda, que não vai ficar em casa e, muito menos, vai às urnas votar em branco ou anular o voto.

Quando as pessoas de direita derem por isso, têm um Parlamento com dois terços de deputados de esquerda e uma extrema esquerda com resultados sem precedentes desde o fim do PREC.

Numa nação europeia do século XXI isso é francamente triste!

28 janeiro 2005

Pergunta Pertinente III

Ainda há alguém que acredite na história da 'cegonha'?

Pergunta Pertinente II

Porque será que há pessoas que não percebem que seria bem melhor estarem caladas?

Pergunta Pertinente I

Porque é que o Professor não se dedica a actualizar as suas lições?

Era bem mais útil!

27 janeiro 2005

Oh meus amigos...
Grandes e tremendas confusões andam por aí a pairar nas cabeças de muita gente com quem eu falo (suponho que também andem a pairar nas cabeças daqueles com quem não tenho falado...).
1.ª Confusão: Votar no CDS-PP é o mesmo que votar no PSD porque "eles" depois formam coligação à mesma.
Pois que isso tem uma parte de verdade e um parte que me parece menos verdadeira. A parte de verdade é que "eles" acabam por formar coligação na hipótese de os dois juntos terem maioria é verdade, mas a parte de ser indiferente já não é tão verdade assim.
O PSD e o CDS-PP têm tido ideias e actuações bem diferentes para o país em muitas áreas, nomeadamente:
- Europa: o CDS-PP tem uma posição muito clara acerca da Europa. Esta deverá ser uma união de esforços e sinergias para alcançar um maior desenvolvimento económico e social. Como é óbvio isso levará a certas decisões colectivas que antes seriam tidas por cada Estado, ou seja, uma certa perda de soberania e de capacidade de decisão pela parte dos Estados.
MAS, e aqui é que está o cerne da questão, o centro decisório deve estar tanto quanto possível nas mãos dos Estados, evitando-se qualquer aproximação a um federalismo seja de que estilo for. O PSD sempre tem sido um partido a quem sorri a ideia de um federalismo europeue quem não desgosta um maior poder decisório da Comissão em vez do Conselho, constituído por representantes dos Estados.
- Política Social: como Partido Democrata-Cristão que é, o CDS-PP bate-se há muito por certas políticas sociais que não visam a igualdade material de todos os portugueses, mas a igualdade de oportunidades a par de um mínimo material essencial a cada cidadão. Para isso tem defendido certas reformas nos sectores da educação (como são exemplos o cheque-ensino e os pactos público-privados na gestão de alguns serviços escolares), da saúde (como os genéricos que entretanto se implementaram e estão em crescimento) e da segurança social (como as medidas de protecção à Família da licença de maternidade prolongada e de escalões diferenciados do abono-família de forma a dar mais a quem realmente precisa).
- Direito à Vida: bem sei que o Presidente do nosso partido não tem filhos... lol Acho que me vou ficar por aqui porque toda a gente sabe que é o CDS-PP o partido que mais se tem batido pela defesa da vida.
2.ª Confusão: Mais vale votar no PS- do mal o menos e mais vale que o PS não se junta à extrema esquerda.
Bem, não há dúvida que esse seria um mal menor, mas não será isso partir derrotado de início? De acordo com as pessoas que demonstram este receio ou teremos uma derrota ou uma grande derrota? Que tal tentarmos uma vitória e conseguirmos uma maioria de Direita no Parlamento?
3.ª Confusão: Então e se o PS e o CDS-PP formam coligação?
Há um pacto PSD/CDS-PP pelo qual nenhum dos dois aprovará um governo dos outros partidos, e o CDS-PP sempre tem honrado os seus compromissos. Mas não há dúvida de que o CDS-PP também é um partido pragmático e que preferirá, em certas áreas fundamentais, que o PS conte com o seu apoio, caso ganhe as eleições (cruzes canhoto!) e, deste modo, não busque o apoio da extrema-esquerda e se conforme às suas políticas.

26 janeiro 2005

Campanha Eleitoral

Após algum tempo sem escrever decido voltar à minha actividade de comentador regular deste magnifico blogg.
E escrevo para marcar a minha posição relativamente àquela que espero vir a ser a melhor campanha do CDS de todos os tempos.
Enquanto militante de uma juventude tão dinâmica não posso deixar de apelar a uma campanha igualmente dinâmica! Em primeiro lugar, temos de estar bem convictos daquilo que estamos a fazer! E, para quem não sabe, o que estamos verdadeiramente a fazer é prestar um serviço ao País que tanto queremos. De facto, mais do que pintar o País com as cores de um Partido, devemos moldar um Partido em função do serviço que prestamos a Portugal. Não devemos pôr os interesses partidários acima dos verdadeiros interesses nacionais!
Não podemos ter medo de ter algumas ideias que sejam diferentes aos valores do CDS. Não é um partido que nos molda... Somos nós quem pode - e deve - procurar, em cada dia, moldar um pouco mais o partido de que tanto gostamos.
E é por estar convicto que vai ser esta a atitude do CDS que me uno a tantos e tantas nesta campanha eleitoral. A atitude do CDS deverá ser sempre uma atitude de apresentação de um Governo e não uma atitude de conflito com outros partidos. Os portugueses querem verdadeiramente saber quais as propostas dos partidos. E o CDS só se deve preocupar em dar as respostas a essas questões! A guerra partidária já está gasta e em nada contribui para o desenvolvimento e estabilidade de Portugal. Precisamos de uma masa de políticos forte e com um verdadeiro sentido de amor nacional! E, muito sinceramente, é isso que está a faltar em Portugal. Hoje, etou convicto, os políticos nacionais têm posto muitas vezes os seus interesses pessoais acima dos interesses nacionais!
E estou convicto que o CDS vai marcar um novo rumo relativamente a uma nova forma de estar na política!
Um forte abraço José Morais Barbosa

BCP

Apesar de não ter muito tempo, não queria deixar de enviar os meus Parabéns ao Eng. Jardim Gonçalves (concerteza que lerá o "uma geração às direitas"! quem é que hoje em dia não lê o melhor blog da blogosfera?) na altura em que se anuncia a sua sucessão. E os meus parabéns pelo seguinte:
- por ter conduzido com sucesso o maior banco privado português durante todos estes anos;
- por ter demonstrado que é desejável um país ter uma banca forte e credível;
- por não ter deixado o BCP na crise de 2003, mas apenas quando este está em franca recuperação, com resultados positivos e a crescer;
- por ter apostado na internacionalização da banca portuguesa;
and last but not least
- por tão boa escolha na sucessão;
- por continuar a dar o seu conhecimento e a sua experiência ao BCP como Presidente do Conselho Superior.
E ao Dr. Paulo Teixeira Pinto, que merece toda a confiança quer dos clientes do BCP quer dos mercados, também dou os meus Parabéns e desejo o melhor desempenho neste cargo.

25 janeiro 2005

Citação

"Se eu fosse Portas, teria despido a pose de estadista britânico a viver na Lapa para responder assim: 'Ó Louçã, e tu não podes pronunciar-te sobre os direitos dos homossexuais porque não és travesti'."
Nuno Costa Santos em A Capital

5 estrelas!!!

24 janeiro 2005

Sócrates e os debates

Sócrates escusa-se a debater com cada um dos líderes partidários com assento parlamentar.
Sócrates disponibiliza-se apenas para um debate com todos e outro com o actual primeiro ministro. Alega, para tal postura, fazer exactamente o que fez Durão Barroso em 2002.

Pois é, mas Durão não andou nos canais televisivos a debater com os candidatos a líder do PSD. Sócrates debateu com os candidatos a líder do PS nas televisões, numa campanha que de interna pareceu ter pouco.

Para Sócrates é mais importante debater publicamente na televisão o PS que o País.

Ficamos esclarecidos sobre a escala de valores de Sócrates. O País agradece.

O Debate

Tenho um amigo que admite votar em qualquer partido, do BE ao PSD, mas que, vá lá saber-se porquê, não no CDS/PP (apesar de admitir que é o partido que tem feito melhor figura).

Diz esse amigo que nunca viu Louçã tão mal num debate e que Portas esteve melhor do que alguma vez tinha visto.

Vamos ter um excelente resultado!

Eu, Tenho Uma Filha - Por Graça Franco, Público - 24.01.05

Há erros que se pagam caro. Louçã cometeu um deles ao retirar a Paulo Portas o direito a defender a vida com o peregriníssimo argumento de não ser "pai". Com isso acabou por passar, a si próprio, um atestado de incompetência política em matéria de aborto. Perdeu de uma penada a bandeira que lhe tem garantido uma espécie de seguro de vida política contra todos os desvarios populisto-demagógicos em que o seu discurso é fértil. Esperemos que, pelo menos agora, não desperdice a ocasião de ficar calado.

Eu, ao contrário do Dr. Portas, ganhei aos olhos do Bloco, uma legitimidade acrescida para falar sobre o tema. Jamais a reclamaria! Considero a Vida um direito universal e, por isso mesmo, tudo menos um tema acantonado e exclusivo de uns poucos. Menos ainda daquele micro-reduto que se considera dona e senhora da vida de outros, só porque lhes dá abrigo nas respectivas barrigas. Confesso que embora a minha lógica de argumentação sempre tenha sido outra, não resisto a aproveitar esta legitimidade reforçada concedida ao meu discurso "conservador", oferecida de bandeja pela argumentação bloquista. Desculpem o oportunismo.

Começo, já neste texto, partindo de um facto que eu própria jamais imaginaria relevante para o debate. Verdade, verdadinha, eu, tal como o líder do Bloco, tenho uma filha. Foi à quarta tentativa, mas lá consegui! Tenho aliás a somar a essa filha quatro filhos. Ora, o Dr. Louçã mesmo querendo recuperar a desvantagem já não vai a tempo para as próximas eleições. Nem sequer para o próximo referendo, prometido pelo PS e que o PSD correu a anunciar que viabilizará! É assim certo que, quando se voltar a referendar esta questão, vou partir em vantagem de 5 a 1 para o debate na lógica Louçã!

Acresce que, em matéria de crianças e tal como o líder bloquista, sempre fui capaz de "apreciar" o seu sorriso mesmo muito antes de ser mãe. O mesmo não diria da capacidade, mais recente, de também lhes apreciar o choro. Aí, admito que a maternidade e a paternidade ajudam a criar uma estética nova. Pelo menos a avaliar pela irritação dos "não pais" perante cenas de gritaria que deixam a generalidade dos progenitores relativamente indiferentes. Adiante...

Sei também o que é suportar os nove meses de gravidez e passar por aquela experiência dos respectivos partos. Não faço parte das mães que tem sobre esse momento discursos idílicos. Acho-os genericamente para esquecer. A fantástica epidural no da minha filha foi a excepção que aponta para uma hipótese, em cinco, do relato livresco se confirmar!...

Chegados aqui, e como o Dr. Louçã obviamente nunca deu à luz... estamos no ponto em que o líder bloquista já só terá superioridade moral no debate económico (em que é professor e eu mera licenciada...). Em matéria de aborto, passarei, a partir daqui, a debater com as suas deputadas desde que munidas dos respectivos curricula maternais.

Para cúmulo e infelicidade minha, em vez de cinco poderia ter sete filhos, não fora ter perdido dois entre as 12 e as 16 semanas de gestação. Sei da dor física e moral dessa perda. Em rigor, nesta matéria, só desconheço a experiência do aborto provocado, mas imagino que essa não me seja exigida pela moral bloquista uma vez que eu sou claramente contra a sua liberalização.

Aliás, para evitar equívocos, vale a pena referir que o novo referendo já não se vai centrar nos habituais casos dramáticos e de dolorosa discussão para os dois lados em confronto. Violações, mal formações do feto e risco grave para a saúde física e até psíquica da mãe. São tudo casos já contemplados na lei actual. Do que se trata agora é, tão só, de debater a magna questão de saber se "ao crime" corresponde sempre "uma pena", e qual?

Em rigor, esta polémica forçada em torno das penas só serve para escamotear o verdadeiro objectivo da revisão da lei que é, assumidamente, o de facilitar o chamado "aborto porque sim" - afectando a essa política os correspondentes dinheiros públicos e limitando o direito dos médicos a fazer a objecção de consciência legitimada pelo próprio juramento de Hipócrates. Trata-se, portanto, de alinhar com a argumentação egoísta das meninas de barriguinha à mostra a clamar que ali "mandam elas!".

Não sei como o coração de pai do Dr. Louçã se sente quando vê as suas companheiras de causa a colocá-lo à parte da questão dos limites de soberania sobre as respectivas barrigas. Eu sou completamente contra esse coro folclórico de um feminismo retardado, apostado na total desresponsabilização dos machos envolvidos na progenitura.

Na barriga, que acolhe um filho, não manda apenas a mãe, nem sequer a mãe e o pai! Os filhos não "são coisas" e, menos ainda, exclusivamente nossas. Têm eles próprios os seus direitos. O direito à vida é o mais básico e o primeiro de entre eles. Por mais incómodos que esse direito nos venha causar às nossas barriguinhas de aluguer.

Pior, acho absolutamente lamentável, e mesmo muito pouco sério, que se conquiste a ribalta do espaço público para perder tempo e desperdiçar energias com falsos dramas (porque os reais bem ou mal já tem ampla cobertura na actual lei). Na crise que vivemos, é sim crime não concentrar todos os esforços em combater as questões que estão na raiz dos verdadeiros problemas nacionais e que, infelizmente, continuam na base do sofrimento de muitas das mulheres incapazes de encontrarem alternativas a abortar. Opção muitas vezes forçada por uma série de condicionalismos de que acabam por ser vítimas. Combatê-los podia ser útil, positivo e mobilizador. A começar na luta contra a nova tortura e velha violência doméstica, contra a desresponsabilização dos respectivos parceiros no planeamento familiar, contra a pobreza gritante, o desemprego indesejado, e a falta de informação sobre a prevenção de uma gravidez indesejável, acabando na luta contra os preconceitos sociais legitimados por "receios" e "estigmas" profundamente hipócritas. Não se pode liberalizar ainda mais o aborto só porque alguém nos diz que se a criança nascer "a mãe vai morrer de vergonha, o pai vai morrer de desgosto, ou a própria morre de medo que o namorado a abandone!".

Até porque o aborto mesmo sem culpa deixa marcas. Eu ainda me lembro das primeiras roupas de grávida compradas no exacto dia em que houve uma explosão num paiol de Lisboa. Sempre achei que foram afinal duas as mortes daquela explosão (o único operário atingido e aquele bebé que eu esperava...). Tudo corria bem até aquele momento em que a cobertura do acidente fez subir o nível do stress e alguma coisa começou a correr mal. Deixei a redacção. O médico no Hospital confirmou. Estava morto. Eu tinha-lhe dito a minha idade de alto risco e que era o quinto. Acho que ele considerava que a morte era, nesse caso, um motivo de alívio. Chorei. Ele consolou-me, condescendente: percebo! Era o primeiro de uma nova relação?

Não. Era o quinto da mesma. Na óptica da elite bloquista isto deve atestar uma notável veia conservadora na minha vida privada (!)...logo reforçar a minha legitimidade argumentativa.

Confirmo que na extrema-esquerda há vícios que não morrem. Há vinte anos uma amiga minha deixou o namorado porque ele frequentava "meios burgueses" e o partido não admitia esses modernismos. Era um partido que fazia do tema do aborto uma das suas bandeiras. "Façam amor!"... Lembram-se? Parente próximo dos velhos pais ideológicos do jovem e progressíssimo Bloco... O gato escondido... deixou-se apanhar no debate Portas-Louçã de " rabo de fora".

Para o substituir na defesa da vida, nos debates com o bloco, pode o Dr. Paulo Portas contar sempre que queira com a minha ajuda. Neste ponto, duvido que alguma das jovens deputadas bloquistas exiba um currículo de legitimação sobre a matéria que bata o meu. Pelo menos, nesta nova óptica de análise ultra-reaccionária do moderníssimo bloco e dos seus líderes.

(Jornalista)

21 janeiro 2005

Turismo

Fui agora à apresentação dos deputados por Lisboa do CDS-PP, encabeçada pelo agora ministro do turismo, Telmo Correia.
Como ministro do turismo, o Dr. Telmo Correia defendeu um turismo de qualidade virado para o Património Artístico e Ambiental que têm sido alvo de tantos atentados.
Desde 74 que as apostas no turismo têm sido na quantidade em detrimento da qualidade- oferecemos praia, piscinas e sol aos "turistas de caixote" que entram esquálidos e saem camarões sem gastar muito dinheiro nem conhecerem nada da nossa cultura e maneira de viver.
As novas apostas têm que ser viradas para outras áreas turísticas:
- o eco-turismo (Peneda-Gerêz, Serra da Estrela, Serra de Sintra, Arrábida, dunas e penhascos da Costa Alentejana, etc.;
- o turismo histórico e cultural em Lisboa, Porto, Braga, Évora, etc.;
- por último, um "nicho de mercado" muito explorado em Itália, espanha e França e mal aproveitado em Portugal, o turismo religioso- Fátima, como altar do mundo, mas não só, também o Sameiro, N:ª Sra. do Castelo, etc.
Haja um novo e melhor turismo em Portugal!

20 janeiro 2005

Direito a falar sobre o direito à vida

Na parte final do debate entre Paulo Portas e Francisco Louçã assistimos a uma cena verdadeiramente surreal: Louçã, com o seu ar dono da virtude, da verdade e da razão, disse a Portas que ele não tem o direito de falar em direito à vida porque não tem filhos e, consequentemente, nunca gerou nenhuma vida. Já ele, pai de uma filha («eu sei o que é o sorriso de uma criança», dizia ele) terá todo o direito a fazê-lo.

Por esta ordem de ideias eu também não posso falar de direito à vida (nem nenhum dos que comigo escrevem neste BLOG), nem poderei votar, no tal referendo ao aborto que o Bloco tanto pede. Afinal, como (ainda) não gerei nenhuma vida, não tenho voto na matéria, não sei do que falo, tenho que ser silenciada e remetida à minha total ignorância sobre o tema.

Porque, pela lógica de Louçã, para sabermos o que é o aborto e qual o seu melhor enquadramento jurídico-penal, temos que ser pais e mães. Pela mesma ordem de ideias, aptos a definir o quadro penal da pedofilia são os pedófilos e do furto, os ladrões! Já o combate à fraude evasão fiscais (tema caro aos Bloquistas) deve ser deixado aos burlões!!!!

Ficámos, pois a saber qual é a ideia de democracia, de tolerância e de respeito do Bloco de Esquerda. É esta gente, que não respeita convicções, valores ou opiniões, que nos pede uma votação reforçada. Para quê? Para poderem silenciar os que não pensam como eles? Para nos mandarem (os que pensam de outro modo) para um campo de concentração?

19 janeiro 2005

Ao Serviço da Vida :-)

Recebemos um mail de alguém que tem acompanhado o nosso blog e que, em geral gosta do PP, com a exepção de tudo aquilo que se refere à posição do partido relativa ao aborto.
Respondi por mail e agora decidi aproveitar um bocado do que foi dito para deixar aqui um post sobre o aborto.
O CDS-PP tem pensado e estudado muito a sério o problema do aborto e conhece bem a realidade que o rodeia. Considero que, por isso mesmo, tem sempre tomado uma posição em defesa da vida.
Esta tem sido uma questão debatida à exaustão em Portugal desde o Referendo e isso é óptimo, porque "da discussão nasce a luz".
O CDS-PP desde o 1.º dia que tomou uma claríssima posição contrária a leis que legalizem mais casos em que se possa abortar do que aqueles já contemplados na actual lei e não o fez de ânimo leve. O assunto foi muito discutido e estudado a fim de se chegar a esta conclusão. As conclusões desse estudo foram as seguintes:
1. A defesa da vida humana é o valor mais fundamental a ser defendido em qualquer esfera, seja ela política, diplomática, económica, social ou qualquer outra;
2. Há vida em todo o Ser Humano desde o momento da concepção até à morte natural;
3. É dever do Estado defender essa vida contra quaisquer agressões, sejam elas durante a vida embrionária (aborto), depois do nascimento (homicídio) ou até em fase terminal (eutanásia);
4. A defesa da vida passa pela criminalização dos agentes responsáveis por quaisquer atentados à mesma, seja aborto, homicídio ou eutanásia;
5. No entanto o Estado não pode fechar os olhos a situações de extrema dificuldade numa decisão deste género, como sejam o perigo para a vida da mãe, a mal-formação do feto ou a gravidez resultante de violação;
6. Nesses casos, apesar de haver à mesma um atentado contra uma vida humana, os casos de enorme fragilidade social que apresentam devem ser excepcionados e assim o são na presente lei;
7. Mais do que isso não é excepcionável.
Acho que a senhora que nos escreveu teve toda a razão ao dizer que não há nada como campanhas explicativas, mas parece que passados tantos anos de campanhas explicativas as pessoas continuam a encarar o aborto como um método contraceptivo de último recurso.
Por outro lado, o Estado deve assegurar que ninguém diga que prefere abortar por não ter condições para não ter filhos. Nesse sentido, chamo a atenção para as leis de protecção à maternidade promovidas pelo Ministro Bagão Félix enquanto Ministro da Segurança Social e Trabalho.
Por outro lado, numerosíssimos estudos médicos e ciêntíficos de países onde o aborto é legal a pedido da mulher têm comprovado que as mulheres que recorrem ao aborto sofrem de traumas físicos e psicológicos profundos e que, aquelas que estiveram indecisas e não o fizeram, aceitaram os seus filhos e os amam tanto como todas as outras mães.
Deste modo, a defesa da Vida não é uma ideologia mal fundamentada na realidade social, é uma batalha pela defesa de um valor social fundamental que não pode nunca ser negligenciado.

O nome do partido

CDS
CDS/PP
PP

Como dizer afinal????

Embora o nome oficial seja Partido Popular - CDS/PP, acho que cada um dirá como lhe apetece. Desde que não comecem a chamar CDP, PDS, PPC, CPP, DPS e demais variações da sigla, por mim tudo bem!

Quanto às diferenças ideológicas entre os que dizem CDS e os que preferem PP não sei se elas existem de facto. Penso que é uma preferência pessoal, uma atitude emocional, um hábito.

Porém se quisermos encontrar diferenças ideológicas, elas não estão decerto relacionadas com o facto de quem diz PP ser mais liberal, como já ouvi.

O 'PP' foi adicionado à sigla CDS pelo Dr. Manuel Monteiro, e com ele o nosso Partido foi tudo menos Liberal (o consulado Liberal foi com o Prof. Lucas Pires, e, à época o nome ainda era CDS!)

Igualmente não me parece razoável dizer que os conservadores dizem PP e os democratas-cristãos CDS... até deveria ser ao contrário!

Eu que estou, sem dúvida, no lado mais liberal do partido digo, e sempre disse, só CDS. Porquê? Porque não me revejo naquele que foi o discurso do PP do Dr. Monteiro e porque sendo o CDS um partido fundador da democracia, fundamental na estabilização pós 25 de Abril e em muitos outros momento, honra deve ser feita à sua história, desde logo usando o nome que lhe foi dado pelos pais fundadores.

Ultimamente, já todos notaram, que a maioria dos dirigentes diz CDS (até o site é www.cds.pt e os emails oficiais @cds.pt), não sei bem porquê. Não sei se é uma tentativa de conquista do Centro (Centro Democrático Social), a reconciliação com o passado, ou simplesmente a última 'moda', mas também não acho que isso seja um problema!

Eu, por mim, continuo a falar de CDS e como tal digo-vos:

O CDS VAI TER UM GRANDE RESULTADO NAS LEGISLATIVAS


O PP também, e o CDS-PP igualmente!

18 janeiro 2005

Programa Eleitoral da CDU

Foi hoje apresentado o Programa Eleitoral da CDU, contem 25 medidas urgentes das quais destaco apenas algumas:

- Baixa do IRS
- Baixa do Iva (para os antigos 17%)
- Aumentos da Função Publica em 3%
- Suspensão das privatizações
- Regresso dos Hospitais ao Sector Publico Administrativo
- Abolição de Propinas
- Manuais escolares gratuitos (suponho que pagos pelo Estado)
- Revogação da Lei de Segurança Social

Se repararmos as duas primeiras (concordo com a 1ª) têm como consequência uma descida das receitas do Estado e por isso não são compatíveis com as medidas que se seguem, por que se não vejamos, como pretende o Partido Comunista (e a sua delegação Os Verdes) cobrir os custos que supõem as medidas seguintes.

O Partido Comunista defende e sempre defendeu um controlo total ou pelo menos maioritário do Estado em todos os sectores económicos o que implica uma despesa enorme não compatível com a descida dos impostos actualmente.

Não pode um partido responsável apelar a descida das receitas do Estado e no mesmo documento propor por exemplo a abolição de propinas ou mesmo a suspensão das privatizações.

A fonte de todas as virtudes

O nosso 1.º veio a público comentar com ironia que o PP é agora a fonte de todas as virtudes.
Independentemente disso não lhe ficar lá muito bem, dado que há apenas umas semanas atrás assinou um acordo com o CDS-PP pelo qual se comprometeu que os ataques de campanha iam ser dirigidos à esquerda, muito se poderia dizer sobre a veracidade desta afirmação. E sempre para concluir que ela é de facto verdadeira.
O que é que se quer de um partido?
Quer-se políticos competentes? Sem dúvida que o PP os teve nesta legislatura, quer no governo, em alguns Ministérios e Secretarias de Estado, quer no Parlamento.
Quer-se organização? Muitas vezes o Portas tem usado uma figura de estilo gira e que equivale à verdade, é que o PP está a funcionar como uma orquestra, bem sincronizada. O maestro, ele próprio, sem dúvida que é uma peça chave e essencial, mas sem que os músicos tocassem bem e sincronizados, de nada valia o bom orquestro.
Quer-se boas iniciativas políticas? O PP foi, ao longo da última legislatura, o partido-alavanca das boas reformas dos 2 governos de coligação: o código de trabalho, a reforma executiva, a adaptação das FAs ao fim do SMO, etc.
E se mais se fez, foi porque mais não se pode fazer por causa daquela pessoa que nós sabemos e que, espero, tenha que sair de Belém depois das eleições.
E daí, r. 1.º Ministro, como V. Exa. pode ver, da próxima vez que disser que o PP é fonte de todas as virtudes, não o diga com ironia.

O Site do CDS

17 janeiro 2005


14 janeiro 2005

10 Razões Para Votar No CDS

1. Tendo em conta eventuais dúvidas que por falta de informação possam surgir entre os portugueses sobre a importância fundamental do voto no CDS nas eleições de 20 de Fevereiro próximo, pretende o nosso Partido esclarecer aquilo que é hoje uma evidência aritmética. Cada deputado a mais do CDS é um deputado a menos da esquerda, nomeadamente do Partido Socialista. Votar no CDS é evitar a maioria socialista.

2. Se o CDS atingir os dois dígitos a nível nacional, ou seja, 10 por cento, como é nossa forte convicção, será o PS quem mais perde. Seja em Setúbal ou em Braga, no Porto ou em Lisboa, em Viana e no total nacional, os dados estatísticos apurados pelo Gabinete de Estudos do CDS confirmam aquilo que são factos facilmente constatáveis.

3. Que ninguém duvide: todos os votos nacionais, seja em que distrito for, são essenciais para atingir a meta a que nos propomos: que os portugueses através do seu voto livremente expresso recusem uma maioria socialista na Assembleia da República. Votar CDS é sobretudo votar em valores, na defesa da Vida ou pela liberdade de escolha no ensino, na estabilidade de quem demonstrou saber governar e na competência de quem tem um programa e um rumo para Portugal.

4. É fácil de compreender que mais um deputado do CDS em Setúbal será um deputado a menos do PS. As contas são simples: se o CDS atingir os 10 por cento dos votos, duplicará a sua representação parlamentar pelo distrito, passando de 1 para 2 deputados, contra a co-incineração e em defesa da segurança de todos.

5. É relevante também recordar que somar mais um deputado do CDS em Braga, está à simples distância de apenas 187 votos e que esse mesmo deputado irá retirar a cadeira a mais um representante do socialismo em Portugal. Com 10 por cento, Braga passará a ter dois representantes democrata-cristãos no Parlamento.

6. A cidade invicta do Porto não foge à regra geral: com o CDS a atingir os dois dígitos a nível nacional, o PS perde um deputado e o centro-direita por nós representado consegue passar de três para quatro parlamentares. Os votos no CDS contam realmente para derrotar o PS nas urnas, evitando maiorias absolutas de esquerda. Os portuenses sabem por isso que não precisam de contrariar o que lhes manda o coração, porque o CDS é hoje um voto da razão.

7. Em Viana do Castelo volta a registar-se o mesmo cenário: a utilidade do voto no CDS é inegável e indesmentível. São os números que o dizem com uma certeza insofismável: para o CDS voltar a ter um deputado, como aliás acontecia antes das últimas eleições de 2002, são necessários pouco mais de 2000 votos e, mais uma vez, é o PS quem perde um representante no Parlamento, passando de três para dois deputados. São os portugueses quem mais ganha.

8. Finalmente, na capital, os lisboetas ficam a saber que o seu voto é essencial para evitar posições hegemónicas no País e que sendo o CDS uma garantia de estabilidade é na estabilidade que irão votar quando votarem nos nossos deputados. Quando o CDS ganhar um deputado em Lisboa, passando de 4 para 5 representantes na Assembleia da República, é o PS quem o perde de forma imediata.

9. Fica desta forma definitivamente demonstrado aquilo que temos vindo repetidamente a afirmar: com o CDS a alcançar 10 por cento de média nacional, iremos conquistar cinco (5) deputados ao PS, retirando possíveis sonhos, ou pesadelos, de uma maioria socialista que iriam fazer Portugal voltar a um passado não muito distante e que todos os portugueses bem conhecem e a que não querem certamente regressar.1

0. Em suma, e concluindo, os portugueses ficam deste modo com a certeza absoluta de que votando no CDS garantem a indispensável vitória das forças de centro-direita e não permitem quaisquer tentações de alianças ou coligações pós-eleitorais entre o PS e os partidos da extrema-esquerda parlamentar. Utilidade maior não há.

(Texto da conferência de Imprensa do Dr. Telmo Correia)

13 janeiro 2005

Bancarrota à vista???

José Socrates quer dar um complemento de reforma aos pensionistas que vivem abaixo do limiar da pobreza (ou seja, que vivem com menos de € 300 mensais), sendo que esse complemento não deverá ultrapassar os € 90/mês/pessoa.

Estima-se que o número de pessoas nesta situação seja cerca de 300 mil.

Fazendo as contas (a 12 meses), temos € 90 x 12 x 300.000 = € 324.000.000 num ano.

Eu pergunto: onde é que José Socrates acha que vai arranjar 324 milhões de euros todos os anos para pagar este complemento?

Prometer é fácil!

Vamos voltar ao buraco e descontrolo nas contas públicas deixado pelo governo de Guterres (a que Sócrates está habituado)???

12 janeiro 2005

O Presidente Pastel de Belém

Uma das grandes procupações do PR e da sua enormíssima comitiva na China (vide o post da minha priminha Rita aqui em baixo) tem sido, nada mais nada menos, do que divulgar os Pastéis de Nata! Ora, o que acontece é que esse célebre doce português anda a ser comercializado por uma grande cadeia AMERICANA, a KFC que comprou a receita a uma senhora macaense. Os EUA agradecem esta promoção.
Também tem promovido a tradicional "bica" (ou cimbalino) português. Ora, dado que Portugal não é produtor nem exportador de café não se percebe isto! E o pior é que se aquele povo, enérgico como é, já invade todo o Ocidente com os seus produtos, se lá pega a moda da bica, ninguém os pára.
Salve-se a honra do convento, anda também a promover a moda e os estilistas portugueses. É claro que estes já confeccionam roupa com textéis chineses e não com os portugueses que estão todos a falir, mas ainda se salva alguma coisinha de útil da comercialização da marca.
Ora, numa altura em que duas das maiores produções portuguesas, a cortiça e o vinho, estão com problemas de escoação para os mercados internacionais, bom seria que o PR focasse a sua visita nesses dois produtos. Aí sim, havia uma grande utilidade para o Ocidente que os Chineses bebessem um bocadinho mais de vinho a ver se lhes dava o sono.
Os vitivinicultores nacionais e o Ocidente em peso agradeceriam.

Viagens...

Situação 1: um ministro português desloca-se a um país estrangeiro, para assinar acordos de cooperação, aproveitando ainda para iniciar negociações para a exploração de gás por uma empresa pública portuguesa. Portanto, representando tanto os interesses económicos do país e das empresas públicas estatais (que se poderá reflectir no crescimento da empresa e, consequentemente, no aumento do número de trabalhadores, fomentando assim o emprego) como as acções de cooperação com outros países da Lusofonia. Para esta viagem, leva um número moderado de acompanhantes. Num intervalo de trabalho, a convite do governo do país em que se encontra, como é costume em tais viagens, dá uns mergulhos.

Situação 2: um Presidente da República leva uma comitiva de mais de 200 pessoas (a maior de sempre!) a passear na China, numa iniciativa que visa promover o intercâmbio comercial (que, como é costume, é deficitário para as nossas exportações e benéfico para as importações… os chineses é que deviam cá vir!). Aproveita para ir à televisão chinesa, dizer umas tretas sobre o desenvolvimento de Portugal, o papel dele, PR, nesse desenvolvimento, etc etc.

Qual é a polémica, afinal?

Rita Sacadura Fonseca

11 janeiro 2005

MSV na net

Para quem quiser conhecer um bocadinho melhor o melhor Movimento Católico em Portugal e arredores, do qual fazem parte pessoas ilustríssimas, tal como a minha pessoa, vá a:
www.msvidas.no.sapo.pt

O futuro de Sampaio

Monárquico me confesso, para quem ainda tivesse alguma dúvida, antes de aqui deixar um pequeníssimo comentário à actuação do Presidente da república nos últimos tempos.
Como é mais do que óbvio, acho que não se dissolve uma AR com uma maioria estável por causa de um governo de que não se gosta, uns meros 4 meses após este ser formado, ou seja, não se faz que o o Dr. Jorge Sampaio fez.
Se isso é errado, mais errado ainda me parece que o dito cujo Senhor continue em funções no caso de os dois partidos que detinham a maioria na AR alcançarem uma outra maioria.
O que acontece na CRP (infelizmente não é a Constituição do Reino de Portugal, é da República Portuguesa) é que não há possibilidade de a AR o demitir (o célebre impeachment Norte-Americano), por mais asneiras que o Senhor faça, mesmo que perca por completo a Sanidade Mental, por isso tem que ser ele mesmo a demitir-se.
E, caso essa maioria aconteça, acho que se deveriam fazer umas quantas alterações à CRP, no sentido de uma maioria de 3/4 da AR poder demitir o PR e de se poder referendar assuntos constitucionais, nomeadamente a República.

10 janeiro 2005

Quem perderia tempo a ouvir-te, ó Manel??

Manuel Monteiro, diz que tem informações de que estará sob escuta telefónica, por isso pede a quem de direito para que seja esclarecido nesta matéria.
Eu pergunto-me, é quem, é que estará interessado em ouvir as conversas de um líder de um partido tão insignificante como este.

Dispensa de Oral

Eu tenho que confessar que concordo a 100% com o nosso Presidente, Paulo Portas, e também eu acho que o CDS vai ter um brilhante resultado no exame de 20 de Fevereiro e vai dispensar da oral, o que, na minha faculdade só se consegue com 12!!!!!

Os 12% são um resultado absolutamente possível e parece-me que o almoço de ontem, que reuniu 5133 militantes e simpatizantes do CDS, em Santa Maria da Feira, é o melhor prenúncio das vitórias que se avizinham!

FORÇA CDS, UM PARTIDO COM PROVAS DADAS!

Mega Almoço

5133 pessoas, para ser mais preciso, de acordo com o sms enviado pelo Portas e que amanhã será notícia com certeza.

Já estou a ver: "Paulo Portas envia sms aos militantes a agradecer participação no almoço do passado domingo e que contou com a presença 5133 pessoas".

Confesso que quando entrei na sala, por momentos pensei se não me teria enganado e não estaria num almoço do PSD. Nunca imaginei ser possível um fenómeno daqueles no nosso partido. Fabuloso!!!

Relembro aqui a minha aposta (não sei se já a tinha divulgado aqui no blog) - vamos ter 12%.

08 janeiro 2005

Aborto

Sua Eminência Reverendíssima, Joachim Meisner, Cardeal de Colónia, comparou o aborto aos crimes nazis e logo a comunidade judaica alemã lhe caiu em cima.
Oh caríssimos filhos de Abrãao... Todos sabemos que os judeus passaram por atrocidades inenarráveis durante a II.ª grande guerra, com experiências genéticas, violações das mulheres, trabalhos forçados, câmaras de gás, fuzilamentos em massa, etc.
Mas fazem por ventura ideia daquilo por que passa um bébé num processo de aborto? Os sofrimentos também são inenarráveis: desde flagelação de membros, a queimaduras por ácidos, etc.? http://www.4abortion.net/metodos.htm
As duas situações são horríveis e mostram o pior que o Ser Humano pode conter em si, por isso acho que a comparação de Sua Eminência aponta com precisão para a verdade.
Por outro lado, cá pelo nosso país, grande parte do PS anda indignado por haver tantos anti-abortistas nas suas listas. Tem piada... E não é que eu estou indignado por haver tantos abortistas nessas mesmas listas!
Será que os portugueses de bem, contrários à legalidade dessa atrocidade humana podem confiar neste grupo do PS? Não me parece... Na hora H, o PS poderá impor disciplina partidária a esse grupo minoritário que se verá forçados a aprovar a legalização livre do aborto.
O único partido onde isso não acontecerá de certeza é no PP, que sempre tem defendido a vida humana e a integridade física de todos os seres humanos, da sua concepção à morte natural.

07 janeiro 2005

Onde fazer campanha?

É claro que faremos campanha pelo nosso círculo eleitoral, que é Lisboa.
Nos outros círculos, o que pudermos ajudar ajudaremos com certeza. Mas desses, de facto onde mais deveríamos ajudar a dar o tudo por tudo é Coimbra! Por todas as razões e mais alguma.

Porque é o Nobre Guedes;
Porque é a possibilidade de eleição de um deputado do PP onde não elegemos há anos;
Porque é a batalha da co-icineração;
Porque é o maior desafio de todos;
Porque será uma vitória estrondosa a sua eleição...

Já agora...

Aproveitando a deixa da Beatriz sobre a campanha, venho "chover no molhado", ou seja, pedir àqueles que se dão ao trabalho de ler o nosso humilde, mas simpático, blog que se empenhem na campanha que agora começa.
Mesmo aqueles que, como eu, já têm uma provecta e avançada idade e que por isso não poderão andar aí pelas ruas com bandeiras com o frio que agora está (reumático a quanto obrigas...), são convidados a fazer "campanha privada", ou seja, aproveitarem aquelas tardes de cartas e gamão com amigos, de chás com as primas ou as esperas nos consutórios para convencer mais umas quantas pessoas que votar no PP é a opção certa.

Era uma pergunta capciosa

Logo pela manhã recebi do Francisco um link que ia dar a um artigo do General Azeredo que acho que vale a pena ser lido, pelo que deixo aqui o link.
A seguir às Legislativas, voltarei ao ataque com mais artigos sobre esta Carta Constitucional Europeia, por enquanto as prioridades são outras, mas não é por isso que eu ia deixar passar este artigo sem uma recomendaçãozinha aos nossos fiéis leitores. :)
E os parabéns ao Senhor General, claro está... Se algum leitor o conhecer, transmita-os, sff.

http://dn.sapo.pt/2005/01/07/opiniao/era_pergunta_capciosa.html

Ainda as Listas

A mim apetece-me fazer campanha... em qualquer lado, seja em Braga ou em Aveiro, no Porto ou em Santarém!

E apetece-me porquê?

1. porque estou convicta que o meu partido é o mais bem preparado e que o nosso líder é a pessoa que daria um melhor primeiro ministro;
2. porque o meu partido deu um óptimo exemplo de como se fazem listas: em 'casa', evitando picardias em praça pública, resolvendo os problemas , se os houve, nos locais próprios para o efeito;
3. porque gosto de defender as minhas ideias e aquilo em que acredito, sobretudo quando sei que tenho razão e que as cores que defendo são as que melhor servirão Portugal!
4. porque acredito que Portugal continua a precisar, e cada vez mais, do seu BRAÇO DIREITO, que foi sinónimo de competência, estabilidade, sentido de estado e espírito reformista.

Listas

Carlos, não é bem assim.

Jorge Moreira da Silva já não é, há muito, presidente da JSD.
Helena Roseta recusou, antes de qualquer convite, ir na quota pessoal de Sócrates. Ao menos foi coerente.

De facto, a elaborção das listas no PP foi ainda mais pacífica do que esperava. Fantástico. Tudo encaixado e não há queixumes para o exterior. A estabilidade a funcionar.

Nobre Guedes por Coimbra é uma aposta fabulosa! Será uma lança em África elege-lo. Espero que corra bem.

Presto aqui a minha homenagem ao Prof. Narana Coissoró. Para os que acham que já deram muito ao partido, aqui está a prova de que se pode dar sempre mais, com total generosidade e desprendimento. Um grande bem haja!!

A mim, apetece-me ir para Leiria fazer campanha. Alguém quer vir? :)
Listas

Sobre este assunto reina a maior confusão pelos nos adversários e no nosso concorrente.

Ao que parece Dr. Santana Lopes não gosta muito dos jovens do seu partido pelo que não incluiu nas listas o líder da JSD (claro que não, já não tinha mais lugares, andou a oferecer lugares de bandeja a partidos sem nenhuma representação nacional, tudo em nome da dita plantaforma) .

Ao que parece o Eng. Sócrates não gosta muito de mulheres,, do seu partido pelo que não incluiu nas listas do PS a líder do Grupo das Mulheres Socialistas.
PP - este assunto só demonstra o estado actualem que está o nosso concorrente PSDÊ.... é faz pena só de vêr.

Declarações de Sampaio

Tens toda a razão Carlos.

Sampaio ainda diz "pior" - defende que a legislatura deveria ser de 5 anos. Logo ele, o primeiro presidente a interromper, de livre e espontânea vontade, uma legislatura que ainda só ia com 2,5 anos de mandato.

Sampaio defende também que o mandato presidencial deveria ser único. Pena não ter pensado nisso antes. Escusava ter-se recandidatado - ter-nos-ia poupado esta palhaçada a que tivemos a infelicidade de assistir.

O País agradece ter um presidente que pense. Já agora, e se não for pedir muito, o País agradece um presidente que pense antes de fazer disparates.
Pois é, acho que para os lados do Largo do Rato as coisas também não andam assim tão felizes. Ontem nas notícias, o Eng.º Sócrates dizia, a respeito de alguma suposta inerência a nível da colocação de socialistas por distritos que "não havia lugares cativos"...

Pois bem, mas arrematava que se orgulhava de ter como fixo, 1/3 "deles" mulheres. Ora, se isso não é um lugar cativo o que é? Não interessa a mais valia de uma pessoa para o País, tem é de ser mulher em caso de "excesso de homens"...

Só visto.
Declarações infelizes de Jorge Sampaio

“O Presidente da República defende a alteração do sistema político de modo a favorecer a criação de maiorias absolutas no Parlamento. Afirmando ser «absolutamente a favor da necessidade de maiorias”

Fui agora ao site do DN e fiquei estupefacto com esta frase do Presidente da Republica.

Este senhor deve estar a sofrer de forte perturbações cerebrais……. Então deseja agora alterar o sistema político português de forma a potenciar a existência de maiorias absolutas, quando há menos de um mês dissolveu uma Assembleia da República suportada por uma maioria absoluta (composta por dois partidos).

A seguir a estas eleições de Fevereiro, os portugueses têm que mandar este senhor embora para casa.

PP – este post foi escrito tendo em conta que estou a escrever no blog da Comissão Política da Concelhia de Lisboa da JP, se tal não fosse, a linguagem que usaria com o Presidente da Republica seria de certo diferente (algo semelhante com a linguagem que usarei amanhã no caso do arbitro roubar o Sporting).

06 janeiro 2005

Os 3 C's - Reflicta Sr. Sócrates!

- Já se disse acertadamente que educar não é encher uma vasilha vazia mas acender uma luz! Em outras palavras, educar é ensinar a pensar e não apenas ensinar a ter conhecimentos. Estes nascem do hábito de pensar com profundidade. Hoje em dia conhecemos muito mas pensamos pouco o que conhecemos. Aprender a pensar é decisivo para nos situarmos autonomamente no interior da sociedade do conhecimento e da informação. Caso contrário, seremos simples caudatários dela, condenados a repetir modelos e fórmulas que se superam rapidamente. Para pensar, de verdade, precisamos ser críticos, criativos e cuidantes.

- Somos críticos quando situamos cada texto ou evento no seu contexto biográfico, social e histórico. Todo o conhecimento envolve também interesses que criam ideologias que são formas de justificação e também de encobrimento. Ser crítico é tirar a máscara dos interesses e trazer à tona conexões ocultas. A crítica boa é sempre também auto-crítica. Só assim se abre espaço para um conhecimento que melhor corresponde ao real. Pensar criticamente é dar as boas razões para aquilo que queremos e também implica situar o ser humano e o mundo no quadro geral das coisas e do universo em evolução.

- Somos criativos quando vamos além das fórmulas convencionais e inventamos maneiras surpreendentes de expressar a nós mesmos e de pronunciar o mundo; quando estabelecemos conexões novas, introduzimos diferenças subtis, identificamos potencialidades da realidade e propomos inovações e alternativas consistentes. Ser criativo é dar asas à imaginação "a louca da casa" que sonha com coisas ainda não ensaiadas mas sem esquecer a razão que nos segura ao chão e nos garante o sentido das mediações.

- Somos cuidantes quando prestamos atenção aos valores que estão em jogo, atentos ao que realmente interessa e preocupados com o impacto que as nossas ideias e acções podem causar nos outros. Somos cuidantes quando não nos contentamos apenas em classificar e analisar dados, mas quando discernimos atrás deles, pessoas, destinos e valores. Por isso, somos cuidantes quando distinguimos o que é urgente e o que não é, quando estabelecemos prioridades e aceitamos processos. Em outras palavras, ser cuidante é ser ético, pessoa que coloca o bem comum acima do bem particular, que se responsabiliza pela qualidade de vida social e ecológica e que dá valor à dimensão espiritual, importante para o sentido da vida e da morte.

- A tradição iluminista de educação tem enfatizado muito a dimensão crítica e criativa e menos a cuidante. Esta é hoje urgente. Se não formos colectivamente cuidantes, esvaziaremos a crítica e a criatividade e podemos pôr tudo a perder, o bem viver em sociedade com justiça mínima e paz necessária e as as condições da biosfera sem as quais não há vida. Albert Einstein despertou para a dimensão cuidante de todo saber quando Krishnamurti o interpelou: "Em que medida, Sr. Einstein, a sua teoria da relatividade ajuda a minorar o sofrimento humano?" Einstein, perplexo, guardou nobre silêncio. Mas mudou. A partir daí se comprometeu pela paz e contra as armas nucleares.

- Em todos os âmbitos da vida, precisamos de pessoas críticas, criativas e cuidantes. É condição para uma cidadania plena e para uma sociedade que sempre se renova. Tarefa da educação hoje é criar tal tipo de pessoas.

Leonardo Boff


A minha conclusão: Em tantas matérias, ditas frágeis e singulares como a Religião, Educação - no sentido que o texto nos aponta, a Sexualidade, entre outras...Quando estas são transpostas para uma realidade política e não a social que lhe merece destaque, o resultado é, como o Carlos referiu anteriormente "De reforma em reforma a coisa vai piorando e vão-se vendo os alunos cada vez menos preparados para uma coisa tão simples como perceber o conteúdo de um texto, de um gráfico ou fazer uma conta simples de cabeça." - numa frase, serem críticos, criativos e cuidantes.

Vamos mudar, e mudar não é sermos tolerantes, pois quem tolera consente. Não vamos ser indiferentes, pois a indiferença é sinal de desgaste e não é isso que queremos. Temos mãos para fazer mais e melhor, e todos sabem que quando fazemos é bem feito. Força PP!

Não somos cobardes e vamos de consciência tranquila para este combate político. FORÇA CDS-PP


O CDS-PP aprovou hoje, com uma abstenção, 21 dos 22 cabeças de lista às eleições de 20 de Fevereiro. Luís Nobre Guedes é o cabeça-de-lista por Coimbra, Narana Coissoró é o número um de Faro.
O líder do CDS-PP Dr. Paulo Portas, destacou as candidaturas de Luís Nobre Guedes e Narana Coissoró por círculos eleitorais de risco como um "sinal de que o partido vai para eleições com a consciência tranquila". "Quando pessoas como estas preferem círculos de risco para conseguir mais deputados para o CDS, é um sinal de que o partido não é cobarde e vai para estas eleições sem medo e de consciência tranquila", sublinhou o nosso Exmo. Sr. Presidente do Partido.

Deseducação em Portugal

Caro Pedro,

Isto da Educação é uma looonga história...
Se eu a contasse toda havia de começar assim: "Era uma vez, há muitos, muitos anos, uns Capitãezinhos que queriam ser aumentados, puseram uns cravos na lapela e levaram um país á bancarrota e à bandalheira total..."
Mas como o nosso simpático, mas humilde, blog não pode ter longos testamentos desse tipo, pelo que, muito resumidamente o que se passa é o seguinte.
Os ministros da Educação desde o 25/04 que não têm uma poçlítica de qualidade e excelência para a educação no país e vão aprovando reformas atrás de reformas que as instituições que com elas lidam, escolas, liceus, universidades, etc., não têm capacidade para assimilar.
De reforma em reforma a coisa vai piorando e vão-se vendo os alunos cada vez menos preparados para uma coisa tão simples como perceber o conteúdo de um texto, de um gráfico ou fazer uma conta simples de cabeça.
Nos meus tempos de faculdade (oh que saudades!!!!) dei explicações na Junta de Freguesia a miúdos de bairros carenciados e explicações a miúdos mais abonados de colégios privados. A diferença era absolutamente abissal. Um miúdo em riscos de chumbar na Escola Alemã ou no Colégio das Escravas sabe mais do que o melhor aluno da Escola 111 ou do Liceu Rainha D. Leonor do ano acima.
A dificuldade de um miúdo de 6.º ano na Escola Alemã, por exemplo, era fazer um trabalho sem um único erro de escrita e com as referências bibliográficas correctas. A dificuldade de um miúdo do Liceu D. leonor era perceber um texto para crianças da Sophia de Mello breyner que eu dei na 4.ª classe, o Cavaleiro da Dinamarca.
É certo que, como ex-aluno do ensino público desde o 5.º ano do ciclo ao 5.º ano da faculdade, verifiquei que a maioria dos professores, não só são francamente mediocres, como estão ali a fazer um frete para ganhar a vida. Mas também é certo que há muitos óptimos professores que se vêm limitados na sua actuação por não puderem chumbar quem merece, por não puderem aplicar um valente castigo a miúdos delinquentes que destabilizam as turmas aula após aula, etc. E tudo isto fruto de anos de experiências com a educação.
Nisso a culpa é repartida de forma igual pelo PS e pelo PSD )quantos ministros da educação teve o Prof. Cavaco?).
É tempo de mudar e apostar numa alternativa bem radical- numa alternativa que tem experiência de sucesso nos últimos 2 governos. Como é óbvio estou a falar do PP...
Acho que todos aqueles que têm votado PSD e PS nos últimos anos deverão pôr os olhos nas medidas propostas pelo CDS-PP e na obra efectuada pelos seus ministros nos últimos 2,5 anos.
E, porque não pedi-lo- que votem PP porque é da soma dos votos todos que se tira uma maioria.
O CDS/PP e o combate à fraude e evasão fiscal

A Lei do Orçamento do Estado para 2005, recentemente aprovada na Assembleia da República, por autoria do Ministro Dr. BAGÃO FELIX, consagra importantes e inovadoras medidas no que respeita ao combate à fraude e evasão fiscal, traduzidas numa maior possibilidade de acesso a dados que anteriormente se encontravam protegidos pelo regime do sigilo bancário.

Com esta alteração introduzida no OE para 2005 consubstancia-se na possibilidade de acesso de forma directa, por parte da Administração fiscal, aos elementos abrangidos pelo sigilo bancário, sem aviso prévio ou consentimento dos contribuintes, quando existam indícios da prática de crime em matéria tributária e quando existam factos concretamente identificados indicadores da falta de veracidade do declarado.

Refira-se, que até aqui, a Lei Geral Tributária, apenas, previa o acesso da Administração fiscal a informação protegida pelo sigilo bancário com base em autorização judicial ou em casos muito especiais em que a lei admite a derrogação do dever de sigilo bancário.

O CDS/PP no Governo fez. O CDS/PP no Governo continuará a fazer.

Paixão Educação parte II

Ensino secundário é a prioridade de Sócrates na educação.
O ensino secundário será a prioridade de um Governo socialista na área da educação, afirmou ontem José Sócrates num encontro com professores em Lisboa. "Portugal terá poucas condições para olhar com expectativas positivas e optimismo se não elevar fortemente a qualificação da população activa".
Pois é; desta vez a Educação não é uma Paixão como o Eng. Guterres dizia noutros tempos. É sim uma Prioridade, e reparem que agora é só o ensino secundário, já não é, do ensino básico ao universitário como à outra Paixão do Guterres.
Enfim Guterrismos e Sócraticismos à parte, tá visto e revisto que estas criaturas são exactamente a mesma coisa e que de Educação não percebem mesmo NADA!

05 janeiro 2005

Ninguém fez mais por Portugal!!!!!!

Mas o Dr. Pinto Balsemão fez alguma coisa por Portugal?

É apenas um reparo.

Convites para as listas do PPD/PSD

O nosso 1.º Ministro anda divertidíssimo com a formação das listas que vão concorrer às próximas legislativas. Sei lá, parece ser uma coisa divertida... É que ainda para mais, com tanta gente a recusar parece que foi lançado um bruxedo, maldição ou coisa que o valha ao Dr. Santana Lopes, é que nestas coisas não há coincidências.
E para as listas do PSD qualquer pessoa serve, desde que não tenha conflitos com ninguém acima dele na hierarquia das listas.
Já se comenta por aí que o Dr. PSL, andando sempre a sobrevoar todas as pessoas que ele achasse que ficavam bem num cocktail, perdão, no Parlamento, parece mesmo ter uma verdadeira alma de pássaro.

Os cartazes de Cavaco Silva

A recusa do Professor Cavaco Silva em que a sua fotografia fizesse parte dum cartaz de campanha do PSDÊ está cheia de incoerência ou então vejamos:

1 – A desculpa de “não prejudicar a carreira académica” não tem razão de ser para uma pessoa que foi 1º Ministro de Portugal durante 10 anos (o mais longo período depois do Dr. António Oliveira Salazar), que foi líder do PSDÊ, que foi Ministro das Finanças dum Governo do PSDÊ e que já foi candidato Presidencial.

2 – Não nos esqueçamos que em Março de 2002, Cavaco Silva participou num enorme comício de campanha do PSDÊ no Porto (Mercado Ferreira Borges) ao lado do então líder Dr. Durão Barroso.

3 – Não nos esqueçamos que em Junho de 2004, Cavaco Silva participou em pequenas acções de campanha do PSDÊ para as Eleições Europeias.

Conclusão, o Prof. Cavaco Silva não disse, mas deu a entender a todos, que não confia politicamente no Dr. Santana Lopes.
Considerações gerais

Parece que para os lados do PS de Setúbal ninguém quer Paulo Pedroso nas listas. Porque será?
Como eu bem os compreendo.

Parece que Paulo Pedroso deseja muito ser eleito deputado? Porque será?
Será que necessita da imunidade parlamentar?

Parece que Pôncio Monteiro se transformou numa novela da vida real do PSDÊ.

E José Socrates será que já chegou da neve?
Há mais de duas semanas que não o vejo na TV. Há mais de 4 meses que não tem uma ideia para o País.

O CDS/PP no Governo de Portugal

Nas próximas semanas irei escrever alguns post´s sobre algumas das medidas tomadas pelos Ministros e Secretários de Estado do CDS/PP durante estes 3 anos de governação da maioria de direita. E foram tantas as medidas tomadas, que é dever deste Blog chamar a atenção aos portugueses de quem é que marcou a diferença no Governo de Portugal.

04 janeiro 2005

Sonhar é Bom!

Mário Soares está convicto na maioria absoluta do PS.
Confiante na maioria absoluta do PS nas legislativas de Fevereiro, Mário Soares diz “acreditar” que José Sócrates está preparado para ser primeiro-ministro. “Até agora não teve tempo para mostrar o que vale, mas parece-me ser um homem responsável e com o sentido patriótico que precisamos”, afirmou o ex-Presidente da República em entrevista ao diário espanhol “El País”.
Portas em Viana do Castelo

Segundo a notícia tornada pública no Expresso deste fim-de-semana, Paulo Portas vai concorrer à Assembleia da República pelo distrito de Viana do Castelo.

Ao olhar da maioria dos leitores deste Blog a notícia pode parecer não ter qualquer tipo de relevância. No meu caso esta notícia não me deixou indiferente e fez-me admirar ainda mais o Presidente no nosso partido.

Todos sabemos que os deputados concorrem às eleições legislativas por círculos eleitorais, que correspondem aos Distritos. Todos sabemos que historicamente especialmente, nos últimos 20 anos, apenas no Distrito de Lisboa, Porto e Aveiro, é que o nosso cabeça de lista tem a vida facilitada. Em todos os outros distritos, a eleição tem que ser ganha travando um batalha duríssima pelos votos.

Paulo Portas sempre foi candidato pelo círculo de Aveiro.

A sua possível (apenas me baseio na notícia do Expresso, relembro que o partido ainda não se pronunciou oficialmente) candidatura pelo circulo de Viana do Castelo, mostra mais uma vez a coragem política do Dr. Paulo Portas.

Viana do Castelo é um distrito onde nas últimas 5 eleições legislativas apenas em 1999 o CDS/PP elegeu um deputado. Portanto, tudo leva a crer que a batalha é duríssima. Tudo leva a crer que nada está ganho à partida. Tudo leva a crer que o CDS/PP faz questão de tudo arriscar para eleger um deputado por um distrito tão esquecido como Viana do Castelo.

Quando quase todos os presidentes de partido são candidatos pelo circulo de Lisboa (circulo esse que elege mais deputados) de forma a terem a vida mais facilitada, o CDS/PP na pessoa do seu presidente arriscam tudo. A (possível) candidatura de Paulo Portas pelo círculo de Viana do Castelo mostra de uma forma clara e inequívoca que o CDS/PP não tem medo de disputar estas eleições. Mostram que o CDS/PP tem muito orgulho no trabalho desempenhado nos últimos 3 anos no Governo de Portugal. Mostram que o CDS/PP vai para estas eleições para ganhar deputados em todos os círculos, e que não há círculos de 1ª nem círculos de 2ª.

Mais uma vez Paulo Portas mostra que é um político diferente de todos os outros. Mais uma vez Paulo Portas mostra que não tem medo e que vai à luta.

Eu já vi o Paulo Portas travar batalhas difíceis como a candidatura ao Parlamento Europeu em 1999, como a candidatura à Câmara Municipal de Lisboa em 2001 e como a candidatura nas legislativas em 2002. E em todas elas Paulo Portas mostrou ser um vencedor, com uma força e uma energia fantástica. São características que só muito poucos têm.

A ser verdade esta notícia não tenho dúvidas nenhumas que o CDS/PP vai ter um excelente resultado em Viana do Castelo, e não tenho duvidas nenhuma que Viana do Castelo vai ter na Assembleia da Republica um deputado que defenderá sempre os interesses do seu distrito.

Exactamente Beatriz, foi a Fiorentina, mas se isso acontecesse em Portugal o Sporting ficava sozinho na 1ª Liga.



03 janeiro 2005

Digo eu, que não percebo nada de futebol...

Acho que não estou errada se disser que em Itália os clubes que não pagam as suas dívidas ao fisco descem de divisão. Julgo até que, há uns tempos, foi isso mesmo que aconteceu ao Fiorentina.

E se que em Portugal adoptassemos a mesma política? Podíamos até ficar sem Primeira Liga, mas os cofres do Estado agradeceriam!

Haja, pois, coragem e muitos jogos da 2ª divisão!
O que dizem aqueles que não gostam de quem nós não gostamos

http://causa-nossa.blogspot.com/

02 janeiro 2005

Os clubes de futebol a as dívidas fiscais

Este post já vai com um certo atraso, mas não podia deixar passar mais esta vergonha nacional.

Há cerca de duas semanas, no seguimento de uma notificação das Finanças para que os clubes de futebol da 1º divisão regularizem as suas dívidas fiscais no valor de 20 milhões de euros, veio a público a seguinte notícia :

Madail diz que a FPF e a Liga deveriam ter sido avisados. «A atitude do ministro é incompreensível porque o que estava previsto numa Nota interna das Finanças era fazer o ponto da situação das dívidas e não avançar já para a cobrança». O Presidente da Federação Portuguesa de Futebol pediu ao Governo a anulação da notificação para pagamento de dívidas fiscais dos clubes. Madaíl acusa também Bagão Félix de estar a tomar «medidas populares».

Este tipo de declarações do Presidente da Federação de futebol mostram de uma forma clara a impunidade em que vivem muitos dos contribuintes, e em especial os clubes de futebol.

Os clubes de futebol são contribuintes como qualquer português que tenha um rendimento equivalente ao salário mínimo nacional. Todos os contribuintes têm os mesmos deveres e obrigações. Qualquer cidadão que aufira rendimentos, em especial os trabalhadores por conta de outrem, pagam os seus impostos e se por mero acaso se atrasam, um dia que seja, ainda têm que pagar as devidas coimas.

É incompreensível que os clubes de futebol tenham um tratamento privilegiado. É inadmissível que haja clubes de futebol como um certo clube da segunda circular (bemquefica) que além de desportivamente nada contribuir para o bom nome de Portugal (bem pelo contrário), tenha imensas dividas para com o fisco e para com a Segurança social, e apesar disso ande permanentemente a comprar jogadores de futebol que custam milhões de euros. É uma imoralidade que até aqui foi patrocinada pelo Estado. Além de que é uma concorrência desleal, em comparação com clubes como o Sporting Club de Portugal e o FC Porto (estes sim, dignificam o nome de Portugal além fronteiras) porque cumprem sempre com as suas obrigações fiscais e parafiscais e depois não conseguem ter a mesma capacidade financeira para comprar jogadores.

Por isso as declarações do “cromo” do presidente da Federação são totalmente reprováveis. Qualquer contribuinte quando se atrasam a pagar os seus impostos não recebem nenhum aviso prévio. Chamar a esta atitude do nosso companheiro de partido Dr. BAGÃO FELIX medidas populares é do mais ridículo possível. O senhor Madaíl deve começar a perceber que pagar impostos é uma obrigação para com a sociedade, e não um acto de caridade. Portanto quem não cumpre tem que sofrer as consequências.

E em relação a este aspecto ainda digo mais, se houvesse em Portugal coragem política clubes de futebol como o Bemquefica e outros, ao não cumprirem com as suas obrigações fiscais, eram punidos e disputariam era os campeonatos distritais……. podia ser que aí ganhassem alguma coisa.
Como acho que ninguém ainda colocou uma mensagem sobre a recente catástrofe no Índico, gostaria de expressar o meu sincero pesar por todas as vítimas do tsunami e também lançar votos de Esperança, e que esta nunca desapareça.

Dia 9, Domingo - Sta Maria da Feira

No próximo Domingo, dia 9, em Santa Maria da Feira, teremos um Mega Almoço do CDS com a presença do nosso Presidente, Paulo Portas.

A Concelhia de Lisboa da JP estará, em mais esta ocasião, representada pela sua Comissão Política e convida todos os seus militantes a juntarem-se a nós neste evento que marcará o início de uma campanha que conduzirá o CDS a um resultado histórico no dia 20 de Fevereiro!

Contamos contigo, sabemos que não deixarás de comparecer!

Para inscrições contacta-nos para o nosso email: jpcpclx@sapo.pt ou então no número 21 881 47 20.

Até dia 9!

01 janeiro 2005

George Bush

Bem, pegando no post da Beatriz, eu também nomearia o Presidente dos EUA como personagem do ano, mais exactamente como personagem principal em filme de terror.
O Senhor que mais gafes comete em todo o mundo continuou na sua demanda pelo Santo Graal, que mais não é do que continuar a dividir o mundo entre as "forças do bem" e as "forças do mal" num elenco que poderia ser típico de um mau romance de cordel dos princípios do século vinte.
As consequências deste seu procedimento já estão a ter consequências gravíssimas no ódio gerado parte a parte.
Os muçulmanos são cada vez mais discriminados nos países ocidentais onde vivem e, por sua vez, os fundamentalistas islâmicos só não cometem mais atentados porque provavelmente não têm conseguido.
No Iraque a situação de guerra civil permanece numa altura em que os países que participaram na ofensiva começam a retirar as suas forças no terreno- isto depois da morte de milhares de soldados dos exércitos ocidentais (principalmente americanos). A fractura criada na sociedade iraquiana foi tal, que nenhum analista conscienencioso prevê que nos próximos dez anos (ou mais) esse enorme país possa ter paz - com as consequências lógicas de "contaminação" aos países vizinhos.
Na Arábia Saudita fervilha um ambiente de desconfiança entre os moderados, que tradicionalmente têm governado o país, e os radicais que encontram no ambiente anti-ocidental gerado pela intervenção no Iraque a fórmula perfeita de galvanizar a população saudita.
E, se isso acontece na Arábia Saudita, não é menos verdade que aconteça em muitos outros países, tantas vezes considerados seguramente ocidentalizados como Marrocos, Tunísia ou Jordânia.
Mas George W. Bush ganhou as eleições, como diz a Beatriz... Pode ter perdido em todos os Estados com as melhores universidades e com as populações consideradas mais literadas dos EUA, mas como ganhou nos Estados entre os burgessos da Coca-Cola e do MacDonald's, que constituem a maioria do país, ganhou as eleições, não há dúvida. Muitos Parabéns!
Quanto ao personagem do ano pelos melhores motivos, não há qualquer dúvida de que ano após ano há um grande senhor polaco que ganha esse prémio nos corações de todas as pessoas que lutam pela paz no mundo e por um mundo melhor: falo sem dúvida de S.S. o Papa João Paulo II.
Em mais um ano, a voz de João Paulo II fez-se ouvir nas ocasiões em que foi mais necessária: condenando enérgicamente os atentados do 11 de Março, tal como todos os outros actos de violência humana, e propondo a oração de todos os homens (Cristãos, Muçulmanos, Judeus ou quaisquer outros) em prol de uma maior amizade entre os homens.
Entre entres dois homens a diferença é abissal: um tem a força das mais avançadas e bem equipadas forças armadas e da maior economia mundial, outro tem a força da razão e da paz.
Obrigado Sua Santidade por "não descer da Cruz"!
UM ÓPTIMO ANO DE 2005 A TODOS!