21 outubro 2006

Verdades Inconvenientes

O filme «An Inconvenient Truth», de Al Gore, consegue ser, ao mesmo tempo, um murro no estômago e um enorme embuste.

Murro no estômago porque mostra, de forma muito crua, algumas das consequências e impactos negativos que a nossa acção pode ter no equilíbrio do planeta, e o que isso pode vir a significar num período de tempo não muito longo - alterações climáticas, degelo, aumento do número e da intensidade das catástrofes naturais, entre outras consequências nada animadoras.

Enorme embuste porque para falar de alterações climáticas e aquecimento global, e sobretudo para realçar a importância do tema do Desenvolvimento Sustentável e do Ambiente, não é preciso entrar no jogo da demagogia e do anti-bushismo militante, em que por vezes se cai ao longo do documentário.

Confesso que vi o filme com os olhos de alguém que, não sendo eco-cêntrica, tem uma forte preocupação ambiental e está, de certa forma, informada e consciente dos riscos e das consequências que o mau uso (ou o uso ilimitado) dos recursos pode ter no equilíbrio da Terra. E, mesmo assim, saí da sala bem mais preocupada do que entrei e talvez mais consciente de que é preciso fazer mais alguma coisa. Mas saí, também, muito irritada com a história de se deitarem as culpas do aquecimento global para cima da Administração Bush, quando foi durante a Administração Clinton (na qual o mesmo Al Gore era Vice-Presidente) que se tomou a decisão política de não submeter o Protocolo de Kyoto ao Senado para ratificação. Não quero com isto isentar de culpas a actual Administração, que as tem, na medida em que também ela continua a não ratificar o Protocolo. Porém as verdades inconvenientes têm, de facto, duas faces e não são apenas culpa de um dos lados do tabuleiro político!

No entanto, e apesar de panfletário, numa espécie de arranque para o Al Gore 2008, recomendo que se veja o filme, pelo bom que tem enquanto análise científica séria, mas tendo, obviamente, em atenção que é um filme de propaganda política e não apenas um documentário acéptico sobre o aquecimento global.

Sobretudo recomendo que se veja o filme e se perceba que, ao lado do terrorismo, o ambiente e a energia, são dois dos mais fundamentais issues da humanidade neste novo milénio e que a forma como lidarmos com ambos, através de uma maior consciencialização ambiental e uma maior eficiência energética, será determinante para o nosso futuro colectivo. Porque como muito bem lembra o documentário, se o terrorismo é uma enorme ameaça, a destruição do planeta ou uma crise energética sem precedentes podem ter consequências igualmente devastadoras. É com este novo quadro de riscos globais que temos que lidar e para isso é preciso perceber que estes riscos existem. E é nesse ponto que o documentário cumpre o seu papel.

1 Comments:

Blogger Catarina de Figueiredo Pais said...

Embora ainda não tenha visto o filme, as críticas que li levam-me a concluir que Al Gore politiza, de facto, a questão ambiental - o que vai de encontro à apreciação feita pela Beatriz. No fundo, Al Gore está a mostrar como a influência e o poder também se obtêm fora do exercício do poder político propriamente dito... Recomendo a crónica que li no DE a este respeito - http://diarioeconomico.sapo.pt/edicion/diarioeconomico/opinion/columnistas/pt/desarrollo/698247.html

11 novembro, 2006 17:07  

Enviar um comentário

<< Home